Custo anual chega a US$ 210 bilhões

O mundo precisará de US$ 90 bilhões a US$ 210 bilhões por ano até 2020 para combater o aquecimento global. O cálculo foi apresentado pelo Global Canopy Program - uma aliança de 37 instituições em 19 países - no livro The Little Climate Finance Book (O Pequeno Livro de Finanças do Clima), lançado na conferência de Copenhague. O autor Charlie Parker, analista político do programa, falou ao Estado sobre como levantar esse dinheiro.

AFRA BALAZINA E ANDREI NETTO, O Estadao de S.Paulo

13 Dezembro 2009 | 00h00

Quais seriam os caminhos para angariar esse montante de recursos?

Entre as opções que são exploradas no livro há o mercado de carbono, o imposto sobre carbono, o leilão de permissões para emitir CO2, uma taxa para passageiros aéreos e sobre combustíveis marítimos. Para cada mecanismo, mostramos quem deve pagar. As pessoas podem analisar e verificar quais são as mais apropriadas.

Os países em desenvolvimento devem ajudar com o financiamento?

Há formas interessantes de interpretar a questão das "responsabilidades comuns, porém diferenciadas" e as capacidades dos países. A maioria das pessoas interpreta como responsabilidade o fato de o país ter provocado a mudança climática. E como capacidade, ter dinheiro para pagar por isso. Mas 75% das emissões vêm de países industrializados e 25% dos outros países. Então eles devem pagar por isso? Não sei, mas é uma possibilidade.

Mas são os ricos que devem dar o primeiro passo?

Acredito que os países ricos têm de fazer um compromisso forte rapidamente. Esse é o ponto: fazer os países desenvolvidos darem o primeiro passo e depois, talvez, os países em desenvolvimento virão atrás. Claramente os países em desenvolvimento continuarão a evoluir e poderão ter mais responsabilidades conforme o PIB e as emissões crescerem. Mas o ponto principal é que a escala do financiamento deve vir inicialmente dos ricos e os países em desenvolvimento podem fazer alguma mitigação (redução das emissões) inicial em torno de coisas que não têm custo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.