Dilma questiona divulgação de denúncias e se elas são completas

A presidente Dilma Rousseff, que tenta a reeleição pelo PT, disse que ela e o país foram surpreendidos com a divulgação na quinta-feira de depoimentos com denúncias de corrupção na Petrobras, questionando que isso tenha ocorrido durante o processo eleitoral e se foram apresentados de forma completa.

REUTERS

10 de outubro de 2014 | 16h02

"Acho muito estranho e muito estarrecedor que no meio de uma campanha eleitoral façam esse tipo de divulgação", disse Dilma a jornalistas nesta sexta-feira, no Palácio da Alvorada. "Que não se use isso de forma leviana em períodos eleitorais e de forma incompleta."

Na véspera foram divulgados áudios com declarações do ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa detalhando um suposto esquema de propinas na estatal que desviaria recursos para PT, PMDB e PP.

"O que me faz achar muito questionável é justamente o fato de se apresentar parte da prova ou parte dos depoimentos", afirmou.

"Em toda campanha eleitoral há denúncias que depois não se comprovam e assim que acaba a eleição ninguém se responsabiliza por elas", continuou.

Sobre a permanência do presidente da Transpetro, Sérgio Machado, citado como envolvido no depoimento do ex-diretor, Dilma disse vai investigar todas as pessoas, mas que respeita a premissa do direito à defesa.

"Não basta só alguém falar que ouviu dizer, não lembra quando, pode ser que foi, e aí você pega e condena a pessoa", disse, acrescentando que o ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, tem mantido conversas com Machado.

Questionada se considerava que o PT "errou" neste caso, Dilma defendeu que as pessoas envolvidas nos casos de corrupção sejam punidas, e não as instituições como os partidos políticos.

"Se o PT errou... pessoas do PT erraram, se qualquer outro partido tiver pessoas que erraram, elas têm que ser punidas... doa a quem doer", disse a presidente.

"Você não condena uma instituição, no Brasil você condena pessoas."

COMBATE À CORRUPÇÃO

Ao reafirmar que tem "tolerância zero" com a corrupção, Dilma voltou a dizer que foi a única dos candidatos à Presidência que apresentou medidas sobre o tema, como a transformação da prática do caixa 2 em crime eleitoral e ações para agilizar o trâmite judicial desses casos.

A presidente aproveitou para criticar o PSDB, dizendo que seu governo respeitou a autonomia de órgãos de investigação como a Polícia Federal e o Ministério Público. "

"Quero lembrar que nem sempre foi assim no Brasil. A Polícia Federal foi aparelhada, sim. Foi dirigida durante algum tempo, vocês sabem muito bem, por pessoa que tinha inclusive filiação ao PSDB", afirmou.

"Qual é a diferença nossa: nós investigamos. Me mostra onde é que está (o erro) que eu mando investigar. Eu não varro para debaixo do tapete."

Perguntada sobre a possibilidade de as denúncias causarem impacto em sua campanha, Dilma disse que lutará "com unhas e dentes para que o que não seja justo não ocorra".

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

Mais conteúdo sobre:
ELEICOES2014DILMAESTRANHO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.