Temporão: País só usará vacina contra gripe A em 2010

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, disse hoje, em entrevista ao programa Bom Dia Brasil, da TV Globo, que a vacina que está sendo testada na Austrália contra a Influenza A (H1N1), a chamada gripe suína, é para ser usada no inverno do hemisfério norte. No Brasil, segundo o ministro, a vacina só será usada no inverno de 2010. "Por isso nós ainda temos um tempo", afirmou. Segundo ele, o Instituto Butantã de São Paulo, que tem parcerias inclusive com laboratório na França, será uma das instituições que produzirá a nova vacina no Brasil.

ROSANA DE CASSIA, Agencia Estado

22 Julho 2009 | 08h46

O ministro tentou, mais uma vez, tranquilizar a população, ao afirmar que a gripe suína tem características "extremamente semelhantes" a da gripe comum, como sintomas, evolução clínica, letalidade e tratamento. "Um dado importante para a população saber: em julho do ano passado, morreram no Brasil, de complicações da gripe comum, 4.500 pessoas." Segundo Temporão, a gripe suína deve ser tratada, inicialmente, da mesma maneira que a gripe comum.

Ele disse que além de crianças pequenas e idosos, integram o grupo de risco mulheres grávidas, cidadãos com doenças crônicas e pessoas que se tratam de doenças que podem baixar a imunidade, como transplante de órgãos e aids. O ministro afirmou que o medicamento específico para tratar os casos mais graves da doença não está sendo vendido nas farmácias para evitar a automedicação e uma possível resistência do vírus ao remédio.

"Nós temos neste momento 9 milhões de tratamentos na Fundação Osvaldo Cruz, em matéria prima, que está sendo encapsulada. Nas próximas semanas nós vamos receber mais 150 mil tratamentos. E ontem, o laboratório produtor mandou para Brasília mais 50 mil tratamentos e neste momento está sendo distribuído para os Estados onde a situação está mais delicada: Rio Grande do Sul, São Paulo, Minas e Rio de Janeiro, principalmente, para que as pessoas que realmente necessitem de tratamento possam ter acesso a ele", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.