Estoque de pequenas empresas: errar na compra de produtos pode quebrar seu negócio?

Como definir a quantidade de mercadoria para atender a seus clientes, sem faltar nem sobrar? Especialista mostra técnica de gestão para ajudar nisso

Foto do author Felipe Siqueira
Por Felipe Siqueira

Será que um estoque de produtos mal pensado pode quebrar uma empresa? Sim, o risco é real, de acordo com especialistas, e não é tão incomum de acontecer.

PUBLICIDADE

A boa notícia é que existem estratégias para evitar que a situação chegue a esse ponto. O Estadão conversou com o Sebrae-SP para entender o que o empreendedor deve fazer para não comprar errado.

A primeira dúvida é: por que comprar estoque de maneira errada pode levar um negócio à quebra? Existem três pontos que explicam isso:

  • Houve o custo de comprar os produtos de fornecedores.
  • O dinheiro para pagar essa mercadoria saiu do capital de giro, de empréstimo ou de investimento direto do bolso do empresário.
  • Há um custo para pagar o espaço onde esse estoque é armazenado.

Tudo isso descapitaliza a empresa, ou seja, tira dinheiro dela. Se existe um planejamento financeiro e uma estratégia de vendas, a tendência é que esse estoque gire, o que vai fazer com que gere caixa para o negócio.

Logo, cria-se um ciclo saudável de compra e venda de estoque, com faturamento suficiente para pagamento de todas as despesas - funcionários, aluguel, contas e fornecedores - e eventual lucro.

Estoque parado pode gerar custo elevado para a empresa Foto: Manh LE/Unsplash

Porém, caso a venda do estoque não funcione como esperado, fazendo com que aquela mercadoria fique parada, começa o grande problema.

Publicidade

“Muitas empresas têm dificuldades de caixa por causa de um estoque elevado”, explica o consultor de negócios do Sebrae-SP Davi Jeronimo.

Além da dívida com o fornecedor e do custo com o espaço para armazenagem, tudo aquilo que está parado não está cumprindo o principal propósito: gerar venda, e consequentemente, entrar para o caixa.

Se não há dinheiro entrando no caixa, tudo vai ter que ser custeado com o que a companhia já tem. E, se não tem, vai precisar contrair mais dívidas, para que consiga cumprir com as obrigações financeiras.

Nesse caso, o ciclo deixa de ser saudável e passa a ser extremamente prejudicial. “Já atendi empresas que têm R$ 300 mil em estoque e não possui dinheiro para repor mercadoria que sai com recorrência”, afirma Jeronimo.

A situação pode se agravar a ponto de só ter no estoque o que não vende. E o que pode ter saída com maior frequência não está disponível, já que não há dinheiro para novas aquisições.

Nesses casos, a saída é fazer a famosa queima de estoque. “Aquilo já descapitalizou a empresa. Precisa fazer caixa, e o mínimo que entra já ajuda.”

Como ter um estoque adequado? Confira 8 dicas

Para não haver prejuízo com estoque, alguns passos podem ser seguidos, de acordo com Jeronimo.

Publicidade

  • Pesquise o mercado: entenda, dentro do que pode ser vendido pela empresa, o que as pessoas procuram, o que atrai mais vendas.
  • Olhe para a concorrência: veja quais produtos têm mais giro em lojas com nichos e itens semelhantes.
  • Busque históricos: se houver possibilidade de já ter um histórico com o que pode dar certo, melhor. Mas, se não existir, vai ser preciso trabalhar com a percepção.
  • Saiba o que o cliente quer: é varejo? É atacado? Busque encontrar qual o melhor tipo de venda para a loja.
  • Entenda o seu negócio: o que é necessário fazer para conseguir vender? Qual estrutura é necessária? Assim, será possível saber também o que é preciso ter no estoque.
  • Tenha critérios: tudo fica mais fácil quando se anotam operações na ponta do lápis, para conseguir controlar o que é gasto e o que é vendido.
  • Realize testes: isso precisa ser feito com parcimônia, comprando estoque em pequenas quantidades e avaliando o que tem mais saída.
  • Tenha paciência: é preciso realizar tudo com calma, para não queimar etapas. Depois de um tempo mapeando o que pode dar certo no empreendimento, aí, sim, o empresário pode comprar em maior quantidade, “para não errar logo no início”, completa Jeronimo.
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.