Publicidade

Pernambucana faz sucesso com a venda de tapioca na Alemanha

Mariana Pitanga e Peter Westerhoff comandam o negócio

PUBLICIDADE

Por Gisele Tamamar
Atualização:

Se a dúvida inicial da designer Mariana Pitanga era se estudava gastronomia na Espanha ou na Inglaterra, o romance com um alemão durante uma viagem de férias em Nova York levou a pernambucana para a terra-natal do seu amor. É por lá que ela e o agora marido Peter Westerhoff comandam a Tapiocaria – Brazilian food. O negócio existe há cerca de um ano e desde maio roda pelas ruas com o auxílio de um food truck.

::: Saiba tudo sobre :::

Mercado de franquias

O futuro das startups

Grandes empresários

Minha história

Mariana mora em Berlim há quatro anos e conheceu o Markthalle Neun, um mercado em Kreuzberg onde toda quinta-feira é dedicada à comida de rua. “Também me dei conta que em um mercado de ‘comidas de rua’ tinha estandes do mundo inteiro menos do Brasil. Então, decidi preparar uma apresentação e me inscrevi no site deles”, conta a brasileira.

Publicidade

A ideia de fazer a tapioca surgiu pela sua origem, por ser um produto autêntico, além dela nunca ter visto a massa na Alemanha. Depois de alguns meses de espera, ela foi chamada para organizar uma degustação e teve o espaço aprovado.

Já o projeto do food truck foi do marido. O casal até chegou a tentar arrecadar o dinheiro por meio de um site de financiamento coletivo, mas sem sucesso. “Felizmente, achamos um truck compatível com o que nós precisávamos e com um preço razoável. Resolvemos financiar e investir, o que está valendo a pena”, conta.

:: Leia também ::

Tapioca é a nova moda na alimentação

PUBLICIDADE

Crescimento. O casal tem planos de expandir a Tapiocaria, mas eles ainda não arrumaram tempo para colocar as ideias no papel. “Desde maio a demanda de mercados, eventos e festivais tem superado nossas expectativas. Uma ideia que temos é montar mais trucks para deixá-los em outras regiões da Alemanha. Um esquema de franquia, talvez”, planeja.

O fato de preparar o produto na hora e a transformação de uma farinha em um pão surpreendem os clientes europeus. Para abrir o negócio, ela conta que precisou adaptar alguns ingredientes, como foi o caso da carne seca, que não existe por lá. Mariana precisa cuidar de todo o processo de preparo. “As vendas andam boas. Felizmente o produto tem sido muito bem aceito pelos alemães, turistas e brasileiros que moram aqui. Estamos, aos poucos, ficando mais conhecidos, pessoas nos falam que foram ao mercado só para ir na Tapiocaria”, diz Mariana, toda orgulhosa da empreitada.

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.