PUBLICIDADE

AGU pede que plataforma preserve dados de Janja após conta ser hackeada

Em notificação extrajudicial, órgão solicitou ao X congelamento da conta e preservação dos dados de acesso; investigação preliminar da PF já está em curso

Foto do author Juliano  Galisi
Por Juliano Galisi
Atualização:

A Advocacia-Geral da União (AGU) solicitou que o X (antigo Twitter), congele a conta de Rosângela da Silva, a Janja, na plataforma até a instalação do inquérito sobre o ataque hacker ao perfil dela na noite de segunda-feira, 11. Além de preservar a conta da primeira-dama, a rede social deve manter os registros digitais até o fim da investigação preliminar, que já está em curso na Diretoria de Crimes Cibernéticos da Polícia Federal (PF).

Na notificação extrajudicial, o X é intimado a congelar a conta hackeada, “a fim de evitar danos adicionais”, e preservar os registros de acesso, de modo a facilitar a identificação dos responsáveis pelo ataque. Segundo a notificação, todos os elementos digitais relacionados à conta devem ser mantidos, tais como endereço IP (identificação de um dispositivo na internet) e histórico de acesso. A AGU alertou que “a não observância das medidas requeridas será interpretada como lesão a direitos”.

Janja teve a conta no X (antigo Twitter) hackeada nesta segunda-feira, 11 Foto: Wilton Junior/Estadão

O ataque hacker foi anunciado às 21h37 de segunda-feira. Durante pouco mais de uma hora, o invasor utilizou a conta de Janja para publicar mensagens de cunho sexual e dirigir ameaças ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes e a políticos no geral. Por volta das 22h45, as postagens já haviam desaparecido. A conta de Janja no X tem 1,2 milhão de seguidores.

Planalto condena ataque contra perfil de Janja

A Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República repudiou “veementemente” a invasão à conta da primeira-dama. “A Polícia Federal e a plataforma X foram acionadas. Todas as medidas cabíveis estão sendo tomadas. Não serão tolerados crimes, discursos misóginos, o ódio e a intolerância nas redes sociais”, diz a nota do Planalto divulgada ainda na segunda-feira.

A Polícia Federal, em nota, afirmou que a investigação preliminar teve início na noite de segunda e que o inquérito policial será instalado ainda nesta terça-feira, 12.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.