PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Bolsonaro reafirma à PF que vai se calar no inquérito do golpe; Moraes irredutível mantém depoimento

Após decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo, que manteve audiência nesta quinta-feira, 22, ex-presidente reiterou ao delegado Fábio Alvarez Shor que não vai responder suas perguntas e pediu para ser liberado da oitiva, o que foi negado

Foto do author Rayssa Motta
Por Rayssa Motta
Atualização:

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) reiterou nesta terça-feira, 20, que não vai responder aos questionamentos da Polícia Federal (PF) no inquérito do golpe. Bolsonaro é esperado na quinta, 22, para prestar esclarecimentos sobre a trama golpista para mantê-lo no poder.

PUBLICIDADE

Os advogados pediram que ele fosse dispensado de comparecer à PF, já que vai ficar em silêncio, mas o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido e avisou que a presença é obrigatória.

A defesa informou ao delegado Fábio Alvarez Shor, que conduz a investigação, que o ex-presidente não vai responder às perguntas.

“Uma vez que o Peticionário fará uso do direito ao silêncio nos termos da presente manifestação, requer seja dispensado do comparecimento pessoal, conforme já discutido previamente com Vossa Excelência em outras oitivas, notadamente em virtude de preocupações relacionadas à logística e segurança”, diz a manifestação.

Bolsonaro pediu para ser dispensado de depoimento no inquérito do golpe. Foto: Wilton Junior/Estadão

A comunicação da defesa foi enviada ao delegado depois que Moraes negou um primeiro pedido para suspender o depoimento.

Publicidade

A defesa havia requisitado que Bolsonaro só fosse ouvido depois de ter acesso às mensagens recuperadas pela PF nos celulares de seus aliados, apreendidos na investigação.

Moraes, por sua vez, alegou que os advogados já têm acesso integral aos autos e que apenas diligências em andamento e a delação do tenente-coronel Mauro Cid estão em sigilo. O ministro concluiu que não havia justificativa para o adiamento e cravou que não cabe ao ex-presidente, na condição de investigado, escolher a data e horário do seu interrogatório.

Em nova manifestação, nesta terça, a defesa de Bolsonaro insiste no acesso aos diálogos e afirma que o ministro Alexandre de Moraes não demonstrou “concretamente” por que a investigação pode ser prejudicada se o ex-presidente estiver a par das conversas. Outro argumento é que os advogados só receberam acesso aos autos ontem e não teriam tempo hábil para preparar a defesa.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.