Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Empresários presos na Lesa Pátria ainda mantêm ‘crença no golpe’, diz PF

Na representação ao ministro Alexandre de Moraes para deflagração da 25ª etapa da Operação Lesa Pátria, nesta última quinta-feira-feira, 29, delegados que investigam 8 de Janeiro defenderam necessidade da prisão de sócios de rede atacadista sob argumento de que ainda acreditam e pregam que houve fraudes nas eleições de 2022; PGR se opôs à custódia preventiva dos investigados

PUBLICIDADE

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
Atualização:
Apreensão de dinheiro durante a fase 25 da Operação Lesa Pátria Foto: Polícia Federal

Os delegados responsáveis pela Operação Lesa Pátria evocaram a crença de investigados na ‘legitimidade’ da intentona golpista do 8 de janeiro, mesmo um ano após o evento, para justificar a prisão de supostos financiadores de atos antidemocráticos na 25ª etapa da ofensiva, aberta nesta quinta, 29.

PUBLICIDADE

O argumento consta do pedido de prisão preventiva de dois dos principais alvos da mais recente fase da Lesa Pátria. A PF destacou como Joveci Xavier de Andrade e Adauto Lúcio de Mesquita, sócios da rede de supermercados Melhor Atacadista, ainda acreditam na intentona golpista, com amparo na narrativa de ‘suposta ocorrência de fraudes nas eleições, da necessidade de impedir a existência, mediante intervenção das forças armadas, do governo eleito, e da justeza de promover constrangimento ou mesmo impedir o funcionamento do STF’.

Nessa linha, a prisão preventiva dos empresários foi solicitada sob o argumento de que não é ‘conveniente descartar a possibilidade de eles voltarem a cometer ilícitos contra o Estado Democrático de Direito e de Incitação ao crime’. A Procuradoria-Geral da República foi contra as detenções, mas o ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, acolheu o pedido da PF.

“A liberdade de alguém que comprovadamente participou de atos criminosos contra os poderes da República atenta contra a credibilidade do Poder Judiciário, por não adotar medidas tempestivas e adequadas relativas à persecução criminal”, sustentou ainda a corporação.

O pedido da PF culminou na ofensiva que, nesta quinta, 29, buscou provas nas casas de supostos financiadores e organizadores de atos antidemocráticos realizados após as eleições 2022. Os alvos pagaram por um trio elétrico usado em manifestação golpista e angariaram fundos para bloqueios realizados após a vitória do presidente Luiz Inácio Lula Silva.

Publicidade

Três empresários foram presos. Além de Adauto e Joveci, foi capturado Diogo Arthur Galvão, que trabalha em uma empresa do ramo de madeira. Ele transmitiu ao vivo o ato golpista em Brasília, publicando imagens dentro dos prédios públicos invadidos no 8 de janeiro.

Além disso, os investigadores fizeram buscas em sete Estados e no Distrito Federal. Durante as diligências, a PF encontrou, na casa de um empresário em Palmas valores em espécie: US$ 126 mil, R$ 104 mil, além de 20 mil euros. Também apreendeu 70 armas e um veículo Hummer.

Veja a seguir as suspeitas que recaem sobre os investigados:

Joveci e Adauto

Os investigadores apontam os empresários como supostos financiadores de atos golpistas, dando ênfase ao fato de que eles contribuíram com valores para pagamento de um trio elétrico usado em manifestação antidemocrática.

Publicidade

Segundo a investigação, Adauto teria negociado pessoalmente a contratação do veículo de som, sendo que Joveni fez um pix de R$ 1 mil para a empresa contratada para fornecimento do veículo de som.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

A PF diz que os empresários ‘desejavam o impedimento da posse, ou a destituição, do governo eleito, se manifestando publicamente nesse sentido, instigaram outras pessoas a participar do movimento que pedia a intervenção militar para tanto, estiveram pessoalmente no acampamento em frente ao QG do Exército diversas vezes, e também no ato do dia 08 de janeiro.

“Com relação a Adauto Lúcio de Mesquita e Joveci Xavier de Andrade, as provas de sua participação nos atos antidemocráticos são iniludíveis, e permitem afirmar que não se tratam de meros apoiadores distantes dos fatos, mas sim de organizadores e financiadores dos crimes, providenciando, com certeza, contratação e pagamento de veículo de som para propagação de ideias golpistas, e publicando vídeos e fotos, onde convocam e estimulam as pessoas a participar do movimento, onde se mostram eles mesmos em atos e manifestações, apoiando as teses e justificativas para o cometimento dos crimes”, frisou a PF.

De acordo com a corporação, Joveci divulgou imagens participando de ‘movimento que questionava a legitimidade do STF e que pleiteava o impedimento da posse ou a destituição do governo Lula, sob a alegação de que se trata de ‘ladrão’’.

Os investigadores destacam que em uma das imagens divulgadas pelo empresário, aparece, ao fundo, um outro manifestante, com a frase ‘SOS FFAA (forças armadas)’. Para a PF, essa foto demonstra o caráter golpista do movimento.

Publicidade

Já com relação a Adauto Lúcio de Mesquita, a PF encontrou três vídeos em o citado empresário se filma: um em frente ao acampamento montado em frente ao QG do Exército em Brasília, ‘convocando as pessoas para participar do movimento’; ‘outro apresentando o trio elétrico que fora contratado para funcionar nos atos’; e o terceiro ‘exibindo o veículo de som já se deslocando para onde seria usado, quando se gaba de que a Polícia Militar estaria apoiando o ato’.

Os empresários foram ouvidos no ano passado na CPI dos Atos Antidemocráticos da Câmara do Distrito Federal e negaram ter financiado atos golpistas. Ambos reconheceram que estiveram no acampamento bolsonarista em Brasília, mas disseram que não patrocinaram a estrutura. Adauto admitiu ‘pequenas doações’, mas negou ter custeado alimentação ou trio elétrico. Joveci negou qualquer repasse aos manifestantes.

Organizadores de bloqueio na Ponte FHC em Palmas

Outro núcleo que entrou na mira da 25ª etapa da Operação Lesa Pátria é apontado como organizador de bloqueios, em outubro e novembro de 2022, na ponte Fernando Henrique Cardoso, em Palmas. A PF identificou o pastor Nelcivan Costa Feitosa e Thiago Marasca Moura como principais lideranças dos atos.

Outros líderes citados são Celso Montoia Nogueira, o ‘Montoia Bolsonaro’ e Frederico Moraes de Barros Carvalho, dono do veículo Hummer usado para transportar pneus usados para bloquear a ponte. Ele tem 77 armas de fogo registradas em seu nome.

Publicidade

Ao longo das diligencias nesta quinta, 29, a PF apreendeu 70 armas, o veículo Hummer, além de ter apreendido valores em espécie - dólares, euros e reais.

Outros investigados que foram alvos de buscas nesta quinta são:

  • Zuleica Silva Negri Barros, apontada como líder religiosa do grupo, integrante do Movimento Endireita Tocantins e ‘adepta do discurso de ódio, inclusive, defendendo morte a opositores’;
  • Gleydson Ricardo Martins Torres, apontado como responsável por propagar as reivindicações golpistas e incentivar a adesão da população por meio de seu canal de comunicação;
  • Valter da Rocha Nogueira Júnior, o Valter Patriota, apontado como organizador das caravanas do grupo para Brasília e por captar recursos;
  • Bruno Figur, Sebastião Alves Junior e o coronel da PM Clauber de Abreu Martins, supostos titulares das contas bancárias na qual teriam sido recolhidos recursos por meio de PIX para manutenção das manifestações;

COM A PALAVRA, A DEFESA DE ADAUTO E JOVECI

Em nota distribuída pela Agência Brasil, a defesa dos empresários informou que não teve acesso à decisão da Operação Lesa Pátria e declarou que os ‘investigados veem agora a oportunidade de elucidar completamente as questões em aberto’.

Publicidade

“Eles reiteram seu compromisso com a democracia, o Estado de Direito, o respeito às Instituições, ao processo eleitoral, ao Ministério Público e ao Judiciário, com especial ênfase na sua instância máxima, o Supremo Tribunal Federal. […] O grupo do qual Joveci e Adauto são acionistas reitera que é contra o vandalismo e a intolerância política e acredita que a democracia é feita com pensamentos diferentes, mas jamais com violência. A diretoria do grupo respeita as Instituições brasileiras, a democracia e o Estado de Direito.”, diz o texto.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.