PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Gabriela Hardt se declara suspeita para julgar ações sobre delator infiltrado da Lava Jato

Juíza da 13ª Vara Federal de Curitiba alegou ‘foro íntimo’ para se afastar da ação envolvendo Tony Garcia, que afirmou ter atuado como ‘colaborador infiltrado no meio político e empresarial por acordo de colaboração premiada’ durante dois anos, quando Operação era comandada por Sérgio Moro e Deltan Dallagnol

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega
Atualização:
A Juíza Federal da 13ª Vara Federal de Curitiba durante o Congresso Nacional sobre Macrocriminalidade e Combate à Corrupção em maio de 2019. Foto: Reinaldo Reginato/Fotoarena

A juíza Gabriela Hardt, da 13ª Vara Federal Criminal de Curitiba, se declarou suspeita para julgar ações contra o empresário Antônio Celso Garcia, o Tony Garcia. A magistrada evocou ‘foro íntimo’ por ter colocado, perante o Ministério Público Federal, representação contra Tony Garcia por suposto crime contra honra.

PUBLICIDADE

Em despacho assinado nesta segunda, 5, Gabriela pede esclarecimentos à Corregedoria do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, sediado em Porto Alegre, sobre audiência marcada para a próxima sexta, 9, no bojo de processo contra Tony. O questionamento se dá em razão de Gabriela atuar nos processos remanescentes da Operação Lava Jato em Curitiba em razão do afastamento do juiz Eduardo Appio, titular da 13ª Vara Federal. Ela é substituta na 13ª.

A magistrada quer saber se ainda conduzirá a audiência marcada para sexta ou se deverá ser designado substituto para os atos até que haja retorno do juiz titular.

Gabriela se declarou suspeita para atuar nos processos contra Tony Garcia pouco depois de a defesa do delator e a do empresário Antonio Eduardo de Souza Albertini alegarem que a imparcialidade da magistrada estaria comprometida.

Os advogados sustentam que Gabriela teria 'alterado a postura na condução dos feitos' para 'retaliar' Tony Garcia em razão de acusações do delator sobre o senador e ex-juiz Sérgio Moro, que foi titular da 13.ª Vara no auge da Lava Jato.

Publicidade

Os advogados de Tony lembram que, depois de assumir os feitos da Lava Jato, o juiz Eduardo Appio encaminhou cópias do processo do empresário ao Supremo Tribunal Federal em razão de um depoimento do delator, em março de 2021, no qual afirmou 'ter "trabalhado" por mais de dois anos como 'colaborador infiltrado no meio político e empresarial por força de um acordo de colaboração premiada'.

Appio remeteu as alegações ao STF no âmbito da petição que trata de acusações do advogado Rodrigo Tacla Duran aos artífices da Lava Jato - Moro e o deputado cassado Deltan Dallagnol. No documento, o juiz destacou que Tony Garcia relatou ter atuado como ‘infiltrado’ ‘prestando contas a procuradores da República e ao então juiz Sérgio Moro’.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.