PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Lava Jato SP recorre de rejeição da denúncia contra Lula e Frei Chico por 'mesada' da Odebrecht

Procuradores do Ministério Público Federal em São Paulo alegam que o juiz federal que negou abertura do processo contra os irmãos 'interpretou equivocadamente o alcance dos tipos penais de corrupção'

PUBLICIDADE

Foto do author Pepita Ortega
Por Pepita Ortega e Pedro Prata
Atualização:

Frei Chico, irmão de Lula. Foto: Monalisa Lins/AE - Arquivo/2002

A Força-Tarefa da Lava Jato em São Paulo entrou com recurso, no Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em face da decisão que rejeitou denúncia contra o ex-presidente Lula e seu irmão, José Ferreira da Silva, o Frei Chico. A Procuradoria acusava os irmãos de corrupção passiva pelo recebimento de supostas 'mesadas' da construtora Odebrecht que totalizariam mais de R$ 1 milhão.

PUBLICIDADE

Documento

O recurso

A denúncia foi apresentada pelo MPF em 9 de setembro, mas uma semana depois, no dia 16, o juiz Ali Mazloum, da 7ª Vara Federal Criminal em São Paulo negou abertura do processo. O magistrado entendeu que não havia provas de que Lula soubesse dos pagamentos e que a denúncia não possuía 'elementos mínimos' para a configurar o crime, 'não havendo justa causa para a abertura da ação penal'. O juiz destacou ainda que parte dos crimes já estariam prescritos.

A decisão também se estendeu para outros três executivos da empreiteira que eram acusados de corrupção ativa - o ex-diretor da empresa, Alexandrino de Salles Ramos Alencar, e os donos da empreiteira Marcelo e Emílio Odebrecht.

A decisão

Publicidade

Ao avaliar a denúncia como inepta, o magistrado afirmou: "Não seria preciso ter aguçado senso de justiça, bastando de um pouco de bom senso para perceber que a acusação está lastreada em interpretações e um amontoado de suposições".

No recurso enviado ao TRF-3, a Lava Jato paulista indica que Mazloum 'interpretou equivocadamente o alcance dos tipos penais de corrupção' e alega que os crimes imputados aos denunciados não estariam prescritos.

Os procuradores alegam que haveria, nos autos do processo, diversas evidências que sustentam as acusações. Entre tais provas, o MPF cita testemunhas e documentos que comprovariam que os pagamentos recebidos por Frei Chico eram ligados a benefícios que a Odebrecht teria angariado ao longo dos mandatos de Lula.

A força-tarefa também argumenta que a jurisprudência do tribunais é no sentido de que eventuais dúvidas quanto ao conhecimento, dos envolvidos, com relação ao caráter ilícito de suas condutas devem ser analisadas no curso do processo - 'não sendo possível negar a instauração de uma ação penal quando um conjunto de evidências como o do caso de Lula e seu irmão estão colocadas com objetividade na denúncia'.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.