PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Opinião|O mosquito, o SUS e a lei

convidado
Atualização:

Dados do Ministério da Saúde divulgados pela Agência Brasil indicaram um crescimento de 15,8% na incidência de dengue em 2023 em relação ao ano anterior. Conforme a pasta, ocorreu um salto de 1,3 milhão de casos em 2022 para 1,6 milhão no período seguinte. Já a taxa de letalidade ficou entorno de 0,07% nos dois anos. Os registros indicaram 1.053 óbitos em 2023 e 999 em 2022.

Houve crescimento de 15,8% na incidência de dengue em 2023 em relação a 2022 Foto: Fábio Motta/Estadão

PUBLICIDADE

Em justificativa, o Ministério da Saúde relacionou fatores como a variação climática, o aumento das chuvas, o número de pessoas suscetíveis às doenças e a mudança na circulação de sorotipo do vírus como motivadores do aumento. A Instituição ainda revelou que os estados com maior incidência da doença foram Espírito Santo, Minas Gerais, Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso do Sul, Distrito Federal e Goiás.

Com o aumento no número de casos, também cresceu a espera por atendimento e demais dificuldades em relação ao tratamento de pessoas acometidas. Porém, o amparo à pessoas que sofrem de dengue, ainda que em situação epidêmica, é registrado na Legislação como um direito para o cidadão brasileiro.

Válido lembrar que existem algumas medidas legais para o combate da dengue. A começar pela Lei nº 13.301 de 27/06/2016, criada justamente em função aos desdobramentos da picada do Aedes Aegypti.

Os cuidados com a dengue no Brasil começam antes mesmo que o mosquito Aedes Aegypti entre nas casas e deposite seus ovos nas poças de água parada. Isso porque a Lei nº 13.301 de junho de 2016 dispõe sobre a adoção de medidas de vigilância em saúde quando verificada situação de iminente perigo à saúde pública pela presença do mosquito transmissor do vírus da dengue, do vírus chikungunya e do vírus da zika. Esse dispositivo altera a Lei nº 6.437, de 20 de agosto de 1977 e promulga mais eficiência e modernismo em saúde em relação ao cuidado com todas essas doenças.

Publicidade

Na prática, essa lei do Século XXI adota políticas públicas para intensificar o combate a proliferação do mosquito. Muito disso através de campanhas publicitárias, campanhas de controle, vigilância epidemiológica e ação direta em possíveis focos de reprodução, além de desenvolvimento de sistemas de medidas e estratégias de contenção.

A fundo esta lei não auxilia tanto o paciente que contrai dengue ou algumas das outras doenças transmitidas pelo Aedes Aegypti. É mais um sistema organizacional que previne a contaminação. Porém, quando esse sistema falha e há uma debandada da dengue – que é o que assistimos em 2023 e provavelmente assistiremos em 2024 –, existe um outro sistema de saúde, público e que é referência mundial, para receber o paciente.

Acima de qualquer outra lei que trata a saúde nacional, temos a Lei Nº 8.080, a Lei da Saúde, a lei que criou o SUS. Aquelas páginas dispõem sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências a cuidados específicos para diferentes tipos de doenças. Inclusive a dengue. Portanto, é sempre válido lembrar que todo brasileiro tem a saúde pública para se tratar da doença. Mesmo que em filas que duram horas.

Convidado deste artigo

Foto do autor Thayan Fernando Ferreira
Thayan Fernando Ferreirasaiba mais

Thayan Fernando Ferreira
Advogado especialista no direito da saúde e no direito público, membro da comissão de direito médico da OAB-MG e diretor do escritório Ferreira Cruz Advogados
Conteúdo

As informações e opiniões formadas neste artigo são de responsabilidade única do autor.
Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do Estadão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.