PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

PEC da Anistia é a mais ambiciosa aposta do Congresso para fragilizar transparência, diz pesquisador

Proposta está parada no Congresso, mas cientista político Marcelo Isso projeta que texto pode ganhar tração no ano que vem

Foto do author Pedro Augusto Figueiredo
Foto do author Rayssa Motta
Foto do author Pepita Ortega
Por Pedro Augusto Figueiredo, Rayssa Motta e Pepita Ortega
PEC da Anistia pode perdoar partidos políticos por irregularidades em eleições anteriores. Foto: Wilton Junior/Estadão

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) em tramitação no Congresso para anistiar partidos políticos por irregularidades em eleições passadas, inclusive descumprimento da cota de gênero e raça das candidaturas, é vista por especialistas como uma das iniciativas mais corporativistas do Legislativo desde a redemocratização.

PUBLICIDADE

Pesquisadores avaliam que a tramitação do texto não deve avançar neste ano, por causa das disputas internas travadas entre os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), mas veem como possibilidade concreta que a proposta volte a ganhar tração em 2024.

O tema foi debatido durante a 8ª edição do seminário Caminhos contra a Corrupção, iniciativa do Estadão em parceria com o Instituto Não Aceito Corrupção. A mesa “Diagnóstico dos Partidos Políticos: Como fazer com que pactuem compliance e accountability?” teve a participação dos cientistas políticos Marcelo Issa e Ana Cláudia Santano e do promotor de Justiça de Minas Gerais, Rodrigo Mazieiro. A conversa foi mediada por Katia Brembatti, presidente da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji).

“O que a gente vê nos últimos anos são tentativas do Congresso Nacional no sentido de anistiar sanções aplicadas ou aplicáveis aos partidos políticos, flexibilizar regras e obrigações que os partidos devem cumprir, especialmente junto à Justiça Eleitoral, e fragilizar também os mecanismos de transparência e de controle social sobre o recursos públicos que recebem. Essa última tentativa, chamada PEC da Anistia, eu diria que foi a mais ambiciosa de todas”, afirma Marcelo Issa, da Transparência Partidária.

Rodrigo Mazieiro considera que as investidas do Congresso para flexibilizar a legislação eleitoral são “cíclicas”. Em 2019, por exemplo, os parlamentares aprovaram anistia às multas aplicadas aos partidos políticos.

Publicidade

O promotor mineiro vê com ceticismo a possibilidade de as próprias siglas criarem programas de integridade para prevenir e fiscalizar irregularidades no uso de verbas públicas. O financiamento privado de campanhas no Brasil foi proibido pelo Supremo Tribunal Federal em 2017. Os partidos políticos recebem o Fundo Eleitoral, para custear as candidaturas, e o Fundo Partidário, para despesas correntes.

“Não há vontade política em produzir normas jurídicas que obriguem os partidos políticos a implementarem programas de integridade. Acho que, por enquanto, é uma utopia, infelizmente”, declarou.

Para Ana Cláudia Santano, da Transparência Eleitoral Brasil, a transparência eleitoral e partidária avançou no Brasil por iniciativas da Justiça Eleitoral. Na visão da especialista, poucos partidos têm estrutura satisfatória e falta coordenação entre os diretórios nacional, estadual e municipais, o que dificulta o cumprimento das exigências previstas em lei. “Quando a Justiça Eleitoral toma a atitude de dizer como fazer, todo mundo ganha”, declarou.

Ela ressalta que a legislação eleitoral é complexa inclusive para os especialistas no tema e que, por vezes, resoluções publicadas pela Justiça Eleitoral não levam em consideração a realidade local.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.