PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

Promotores que cercam Flávio dizem que há 20 anos foi abolida perpetuação do foro privilegiado

Em nota de esclarecimento divulgada nesta terça, 17, Grupo de Combate à Corrupção do Ministério Público do Rio se insurge contra o deslocamento da competência da investigação que cita filho do presidente para o Tribunal de Justiça do Estado

PUBLICIDADE

Foto do author Luiz Vassallo
Foto do author Fausto Macedo
Por Luiz Vassallo e Fausto Macedo
Atualização:

Flávio Bolsonaro. FOTO: PEDRO FRANÇA/AG. SENADO  

Os promotores do Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção, que investigam o caso Queiroz, se insurgiram, nesta terça, 17, contra pedido da procuradora de Justiça do Rio Soraya Taveira Gaya, que deu parecer favorável para que o senador Flávio Bolsonaro (PSL) tenha foro perante ao Tribunal de Justiça do Rio.

PUBLICIDADE

Segundo os promotores, 'no ano de 1999, foi abolida do direito brasileiro a perpetuação do foro por prerrogativa de função após o término do mandato eleitoral'. "Portanto, há pelo menos duas décadas os Deputados Estaduais não são mais julgados originariamente pelos Tribunais de Justiça depois de cessado o exercício da função".

"Pelo processo de mutação constitucional, a interpretação dada por nossas Cortes Superiores para o chamado "foro privilegiado" tornou-se cada vez mais restrita, até que no dia 03 de maio de 2018 o Plenário do STF definiu que "aplica-se apenas aos crimes cometidos durante o exercício do cargo e relacionados às funções desempenhadas", com exceção dos casos nos quais "após o final da instrução processual" a competência é prorrogada para evitar manobras procrastinatórias que impeçam de proferir sentença o Tribunal que já conheceu as provas (Questão de Ordem na Ação Penal nº 937, DJ 03/05/2018)", afirmam.

O parecer da procuradora, que atua na segunda instância, e não faz parte das investigações originárias do caso, é favorável a um pedido de habeas corpus do senador, filho do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

O pedido feito pela defesa do filho do presidente Jair Bolsonaro alega que o juiz Flávio Itabaiana de Oliveira Nicolau, da 27ª Vara Criminal, não tem competência para julgar o caso, já que o parlamentar teria direito a foro especial.

Publicidade

De acordo com os promotores de primeira instância, 'nem mesmo a peculiaridade de exercícios consecutivos de mandatos eletivos em cargos diversos seria capaz de repristinar a Súmula nº 394 do STF, pois a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça recentemente julgou caso similar, no qual o réu alternou os cargos de Governador e Deputado Federal, firmando o entendimento de que, independentemente do novo mandato, pela nova interpretação do STF a competência passa a ser do Primeiro Grau de Jurisdição, pois "como o foro por prerrogativa de função exige contemporaneidade e pertinência temática entre os fatos em apuração e o exercício da função pública, o término de um determinado mandato acarreta, por si só, a cessação do foro por prerrogativa de função em relação ao ato praticado nesse intervalo" (Questão de Ordem na Ação Penal nº 874, DJ 15/05/2019)'.

COM A PALAVRA, O GAECC

NOTA DE ESCLARECIMENTO DO GAECC/MPRJ- CASO COAF

O Grupo de Atuação Especializada no Combate à Corrupção (GAECC/MPRJ) se manifestou no sentido de manter a competência da Justiça Estadual do Rio de Janeiro em primeiro grau para o eventual processamento e julgamento do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ) no que diz respeito às investigações acerca do Relatório de Informações Financeiras do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (COAF).

O posicionamento do GAECC/MPRJ fundamenta-se no fato de que, desde o cancelamento da Súmula nº 394 pelo STF, no ano de 1999, foi abolida do direito brasileiro a perpetuação do foro por prerrogativa de função após o término do mandato eleitoral. Portanto, há pelo menos duas décadas os Deputados Estaduais não são mais julgados originariamente pelos Tribunais de Justiça depois de cessado o exercício da função. Pelo processo de mutação constitucional, a interpretação dada por nossas Cortes Superiores para o chamado "foro privilegiado" tornou-se cada vez mais restrita, até que no dia 03 de maio de 2018 o Plenário do STF definiu que "aplica-se apenas aos crimes cometidos durante o exercício do cargo e relacionados às funções desempenhadas", com exceção dos casos nos quais "após o final da instrução processual" a competência é prorrogada para evitar manobras procrastinatórias que impeçam de proferir sentença o Tribunal que já conheceu as provas (Questão de Ordem na Ação Penal nº 937, DJ 03/05/2018).

Publicidade

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Conforme também recentemente publicado, ao negar seguimento à Reclamação Constitucional nº 32.989/RJ proposta pelo próprio FLÁVIO NANTES BOLSONARO, o Ministro Marco Aurélio do STF assentou que "o fato de alcançar-se mandato diverso daquele no curso do qual supostamente praticado o delito não enseja o chamado elevador processual". Nem mesmo a peculiaridade de exercícios consecutivos de mandatos eletivos em cargos diversos seria capaz de repristinar a Súmula nº 394 do STF, pois a Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça recentemente julgou caso similar, no qual o réu alternou os cargos de Governador e Deputado Federal, firmando o entendimento de que, independentemente do novo mandato, pela nova interpretação do STF a competência passa a ser do Primeiro Grau de Jurisdição, pois "como o foro por prerrogativa de função exige contemporaneidade e pertinência temática entre os fatos em apuração e o exercício da função pública, o término de um determinado mandato acarreta, por si só, a cessação do foro por prerrogativa de função em relação ao ato praticado nesse intervalo" (Questão de Ordem na Ação Penal nº 874, DJ 15/05/2019).

Contudo, em resposta ao habeas corpus impetrado pela defesa do senador, a procuradora de Justiça Soraya Taveira Gaya, no exercício de sua independência funcional e atuando em segunda instância, deu parecer favorável para que o senador tenha foro especial nas apurações do caso. Caberá agora à 3ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio decidir sobre a questão.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.