PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Notícias e artigos do mundo do Direito: a rotina da Polícia, Ministério Público e Tribunais

STF condena mais 29 réus do 8 de Janeiro

Tempo de prisão será definido em outro julgamento, porque não houve maioria na dosimetria das penas; agora já são 59 sentenciados, a maioria a até 17 anos de prisão

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

O Supremo Tribunal Federal (STF) condenou mais 29 bolsonaristas envolvidos nos atos golpistas do dia 8 de Janeiro. O julgamento foi encerrado às 23h59 desta segunda-feira, 5, no plenário virtual. Com a decisão, já são 59 réus condenados por participação nos protestos violentos e antidemocráticos.

PUBLICIDADE

O grupo foi acusado de envolvimento direto na invasão e na depredação dos prédios públicos na Praça dos Três Poderes. Eles foram presos em flagrante no Palácio do Planalto.

As denúncias da Procuradoria-Geral da República (PGR) listam cinco crimes: associação criminosa armada, abolição violenta do Estado Democrático de Direito, tentativa golpe de Estado, dano qualificado e deterioração de patrimônio tombado.

“Todos atuavam dolosamente, em concurso de pessoas, unidos pelo vínculo subjetivo”, apontou o MPF.

STF já condenou 59 réus do 8 de Janeiro. Foto: Wilton Júnior/Estadão

Penas ainda serão definidas

Não houve maioria para definir as penas. Por isso, será necessária uma nova votação para estabelecer o tempo de prisão.

Publicidade

O ministro Alexandre de Moraes, relator do caso, sugeriu penas entre 14 e 17 anos de prisão. Ele foi acompanhado integralmente pelos ministros Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Cármen Lúcia e Luiz Fux.

Os ministros Cristiano Zanin e Edson Fachin foram a favor da condenação por todos os crimes, mas a penas menores, entre 11 e 15 anos.

O presidente do STF, Luís Roberto Barroso, votou para condenar os réus por todos os crimes, exceto o de abolição violenta do Estado Democrático de Direito.

Os ministros André Mendonça e Kassio Nunes Marques apresentaram divergências mais amplas e votaram por absolvições parciais e até totais.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.