PUBLICIDADE

Bolsonaristas tumultuam sessão de homenagem ao aniversário do PT na Câmara: ‘44 anos de corrupção’

Deputados do PL exibiram faixa ridicularizando o partido e foram retirados do plenário pela Polícia Legislativa

Foto do author Julia Camim
Por Julia Camim

Deputados bolsonaristas causaram tumulto durante a homenagem aos 44 de fundação do Partido dos Trabalhadores (PT), realizada no plenário da Câmara dos Deputados nesta quarta-feira, 20. Na sessão solene, Eduardo Bolsonaro, Coronel Meira e Paulo Bilynskyj, todos do Partido Liberal (PL), exibiram uma faixa com os dizeres “44 anos de corrupção. Parabéns”, ironizando o aniversário petista.

A cena foi compartilhada no X, ex-Twitter, pelo deputado Lindbergh Farias (PT-RJ). Enquanto os parlamentares seguravam a faixa, houve trocas de insultos e exaltação. O deputado petista que gravou o momento, pergunta aos bolsonaristas “e o ladrão de joias?”, fazendo referência ao caso das joias sauditas, revelado pelo Estadão, em que o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) tentou trazer ilegalmente ao Brasil um conjunto de colar, anel, relógio e um par de brincos de diamantes avaliados em € 3 milhões, o equivalente a R$ 16,5 milhões.

Eduardo Bolsonaro e outros dois deputados do PL exibiram faixa ironizando o PT durante sessão de homenagem à fundação do partido. Foto: Nilson Bastian/Câmara dos Deputados

PUBLICIDADE

A deputada que presidia a sessão, Maria do Rosário (PT-RS), chamou a Polícia Legislativa a fim de que a faixa fosse guardada e pediu “aos deputados que não respeitam a democracia”, que respeitassem os mandatos que exercem. Ela ainda solicitou diversas vezes para que os parlamentares se afastassem, afirmando que “ninguém toca em deputado”.

Sob gritos de “sem anistia” e vaias, os deputados do PL foram retirados do plenário por policiais legislativos. Após agradecer os profissionais, Maria do Rosário pediu a ajuda dos demais parlamentares para retomar a sessão “com paz, tranquilidade e democracia”.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.