PUBLICIDADE

Bolsonaro diz que ficará no Acordo de Paris e convida Macron para visitar a Amazônia

Os dois tiveram uma agenda informal durante o G-20, no Japão; encontro ocorreu depois da Presidência brasileira anunciar o cancelamento de uma reunião bilateral

Foto do author Beatriz Bulla
Foto do author Célia Froufe
Por Beatriz Bulla e Célia Froufe
Atualização:

O presidente Jair Bolsonaro se encontrou com o presidente da França, Emmanuel Macron, após idas e vindas sobre a realização da reunião. Depois de a Presidência anunciar uma reunião bilateral com o francês e, posteriormente, o cancelamento do encontro, os dois tiveram uma agenda informal durante o G-20, no Japão, nesta sexta-feira, 28.

O presidente francês, Emmanuel Macron, ao lado do mandatário brasileiro, Jair Bolsonaro, durante encontro do G-20 Foto: Imprensa G-20/EFE

PUBLICIDADE

Nessa quinta-feira, 27, o francês havia ameaçado não assinar nenhum tratado comercial com o Brasil caso Bolsonaro saia do acordo climático de Paris. A declaração tem potencial de colocar em risco os trabalhos de negociações comerciais entre a União Europeia e o Mercosul. No encontro, Bolsonaro reiterou o compromisso de permanecer no Acordo de Paris e convidou o francês para visitar a Amazônia.

O cancelamento da reunião havia sido informado pela assessoria do Planalto, logo na sequência de críticas feitas por Macron à política ambiental de Bolsonaro. Horas depois, no entanto, os dois se reuniram.

Uma verdadeira batalha de informações e contrainformações sobre a reunião entre os presidentes se desenrolou durante o primeiro dia do encontro em Osaka. Quando a reunião ainda estava confirmada na agenda do brasileiro, a imprensa e assessoria francesas afirmaram que não havia previsão de um encontro bilateral de Macron com Bolsonaro.

Pouco depois, o encontro foi oficialmente cancelado pelo lado brasileiro. No final do dia, o porta-voz da presidência, general Otávio Rêgo Barros, afirmou que na verdade o time de Macron tentou mudar a bilateral para um encontro às 23h da quinta, 27, o qual Bolsonaro teria rejeitado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.