Campanha de Bolsonaro diz que rádios beneficiam Lula; Moraes fala em documento apócrifo

Ministro apresenta alegação como ‘fato grave’ a seis dias da eleição. Moraes diz não encontrar provas e dá 24 horas para campanha apresentar documentos que sustentem acusação, sob risco de sofrer investigação por crime eleitoral

PUBLICIDADE

Foto do author Daniel  Weterman
Foto do author Weslley Galzo
Por Daniel Weterman e Weslley Galzo
Atualização:

BRASÍLIA - A campanha do presidente Jair Bolsonaro (PL), candidato à reeleição, convocou às pressas uma coletiva de imprensa na noite desta segunda-feira, 24, para denunciar um “fato grave” à Nação e alegar, a seis dias das eleições, que está sendo “censurada” por rádios pelo País para favorecer o candidato do PT, Luiz Inácio Lula da Silva. Uma hora depois da entrevista, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, classificou a denúncia como inconsistente, disse que o relatório apresentado à Corte era “apócrifo” e pediu provas.

PUBLICIDADE

Em um púlpito montado em frente ao Palácio do Alvorada, o ministro das Comunicações, Fábio Faria e o coordenador de comunicação da campanha, Fabio Wajngarten, alegaram que emissoras de rádio deixaram de veicular 154.085 inserções de Bolsonaro no segundo turno, beneficiando Lula, sobretudo no Nordeste, região onde o petista venceu com a maior vantagem na primeira etapa da disputa.

O comitê do presidente pediu ao TSE a suspensão da propaganda de Lula nas rádios do País e apuração da denúncia para que seja instalado um processo administrativo. O ministro Alexandre Moraes analisou o pedido e deu 24 horas para Bolsonaro apresentar provas do que alega.

“Os fatos narrados não foram acompanhados de qualquer prova e/ou documentos sério, limitando-se a juntar um suposto e apócrifo relatório de veiculações de rádio”, escreveu Moraes. O presidente do TSE advertiu, ainda, que a campanha pode responder por crime eleitoral se não apresentar as provas.

O “fato” grave, segundo os articuladores da campanha de Bolsonaro, beneficiou Lula e “cerceou” o direito do presidente de disputar a eleição em igualdade. Só no Nordeste, seriam 29 mil inserções a menos em duas semanas.

A alegação foi feita dois dias depois de o TSE conceder direito de resposta para o petista na TV e tirar quase uma hora de propaganda do candidato à reeleição nas emissores de televisão. Os advogados de Bolsonaro argumentam que diferença entre o número de inserções dos dois candidatos à Presidência é “gravíssimo” e pode levar à “ilegitimidade” das eleições.

Wajngarten e Faria apresentaram um relatório batizado de “auditoria de mídia” e afirmaram que o levantamento é preliminar, ou seja, parte de um levantamento maior que seria feito. “Nós vamos auditar 100% do que as rádios e veículos de comunicação deveriam veicular, afirmou Wajngarten.

Publicidade

De acordo com Fábio Faria, a campanha quer recuperar todo o tempo perdido nas rádios até o próximo domingo. “O que a gente quer é apenas isso, é um direito igualitário para que a gente possa disputar as eleições sem sermos censurados e cerceados”, afirmou.

No documento entregue ao TSE, a campanha não citou as rádios que supostamente teriam deixado de veicular as propagandas, os municípios onde Lula teria sido beneficiado com a articulação e quantos eleitores foram impactados ao ouvir mais inserções do PT. O relatório foi feito pela empresa Audiency Brasil Tecnologia, companhia sediada em Santa Catarina.

O relatório da campanha de Bolsonaro abrange o período de 7 a 14 de outubro. O restante ainda não foi formalizado, mas será entregue à Justiça Eleitoral, de acordo com os assessores do atual presidente.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.