PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna do Estadão

| Por Roseann Kennedy

Roseann Kennedy traz os bastidores da política e da economia, com Eduardo Gayer e Augusto Tenório

Deputados preparam ato no Congresso para pressionar governo pela manutenção do Perse

Frente Parlamentar Mista da Hotelaria Brasileira convocou empresários para manifestação no Senado

Foto do author Augusto Tenório
Por Augusto Tenório
Atualização:

Parlamentares preparam uma manifestação no Congresso, no dia 5 de março, para pressionar o governo pela manutenção do Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), que concede benefícios tributários para o setor de turismo. O programa foi encerrado pela medida provisória da reoneração da folha de pagamentos, editada em dezembro pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), e ignorado na nova MP da desoneração, enviada no final de fevereiro.

O coordenador da Frente Parlamentar Mista da Hotelaria Brasileira, deputado Gilson Daniel (Podemos-ES), argumenta que a extinção do programa, como quer o governo Lula, vai aumentar a carga tributária, interrompendo novos investimentos e o pagamento de dívidas adquiridas durante a pandemia. Ele afirma que o Perse impulsiona setores responsáveis por mais de 8 milhões de empregos e 7,6% do PIB.

O deputado Gilson Daniel (Podemos-ES) Foto: Zeca Ribeiro/C

PUBLICIDADE

O parlamentar apresentou uma emenda à medida provisória da desoneração, enviada em fevereiro, para manter os benefícios do Perse até 2026. “A eventual extinção do programa traz a desconstrução no planejamento empresarial, a insegurança jurídica, risco iminente de demissões, provável aumento nos preços para os consumidores de setores como hotéis, cinemas, teatros, shows, casas noturnas, feiras e convenções. É isso que queremos evitar”, afirma Gilson.

O Perse foi criado durante a pandemia para socorrer o setor, fortemente impactado pelas medidas de isolamento social. Como mostrou o Estadão, o custo tributário do programa aos cofres públicos pode ter chegado a R$ 6,5 bilhões em 2023, segundo estudo elaborado pela consultoria Tendências e chancelado por dez associações do setor.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.