PUBLICIDADE

Ex-diretor da PRF tenta blindar Bolsonaro na CPMI do 8 de janeiro

Silvinei Vasques nega uso da Polícia Rodoviária Federal para impedir que eleitores de Lula votasse no ano passado no Nordeste

PUBLICIDADE

Foto do author Natália Santos
Foto do author Weslley Galzo
Por Natália Santos e Weslley Galzo
Atualização:

Primeiro interrogado pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de Janeiro, o ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Silvinei Vasques falou por 12 horas e negou que policiais da instituição tenham sido usados para boicotar ou dificultar o deslocamento de eleitores no dia da votação no ano passado. Em sessão que começou tensa, o policial aposentado tenta blindar o ex-presidente Jair Bolsonaro das acusações de uso da estrutura da PRF no pleito de 2022.

PUBLICIDADE

Ao ser questionado pela relatora Eliziane Gama (PSD-MA) sobre a sua proximidade com Bolsonaro, o ex-diretor da PRF disse que nunca teve “relação íntima” com o ex-presidente e que sequer votou nele em eleições passadas porque “não morava no Rio de Janeiro”. Silvinei é investigado pela Justiça do Rio de Janeiro por improbidade ao pedir voto em Bolsonaro nas eleições do ano passada.

“Eu nunca utilizei do cargo para benefício eleitoral do presidente, se fosse assim nós teríamos que autorizar metade dos servidores públicos daquela época”, afirmou Silvinei em sua defesa. “As fotos que tenho com o presidente Bolsonaro foi porque ele deixou eu tirar e as fotos foram postadas na minha hora de folga”, prosseguiu. “Não seria eu que mudaria o resultado da eleição”, concluiu.

Ele também tentou livra o ex-chefe Anderson Torres, que foi ministro da Justiça no período em que esteve à frente da PRF. Segundo o policial, o ex-ministro foi informado das operações realizadas no Nordeste do País, mas não houve nenhum tipo de orientação dele ou de Bolsonaro para focar as ações naqueles Estados com o objetivo de atrapalhar a chegada de eleitores petistas aos locais de votação.

Confira a sessão:

Silvinei que se disse alvo da “maior injustiça da história” deixou a parlamentar irritada ao não dar informações precisas as suas perguntas. O deputado bolsonarista deputado Éder Mauro (PL-PA), que não é membro da CPMI, interrompeu a senadora aos gritos dizendo que o depoente não poderia ser pressionado. Houve bate-boca e a sessão teve que ser interrompida no momento em que Eliziane mandou o Éder Mauro calar a boca.

Os debates acalorados se estenderam por todo o dia. O senador Rogério Carvalho (PT-SE) disse que a oposição acusa os governistas de defender ditadores, mas que seriam eles os autoritários. “Maduro são vocês!”, disse em referência ao presidente da Venezuela, Nicolás Madura. Em resposta, o senador Esperidião Amin (PP-SC) rebateu: “Vocês quem?”.

Silvinei é alvo de inquérito aberto pela Polícia Federal por conta a atuação da PRF durante os dias de votação na eleição do ano passado. A investigação apura se a ação policial teria como objetivo atrapalhar a chegada de eleitores do presidente Luiz Inácio Lula Silva, sobretudo no Nordeste, reduto político do petista.

Publicidade

No início do depoimento, Silvinei classificou com “crime impossível” o uso das operações para obstruir o processo eleitoral. “Como nós teríamos 13 mil policiais no Brasil explicando a forma criminosa de operar sem ter uma conversa no Telegram, sem ter uma reunião?”, questionou.

O policial negou interferência no deslocamento de eleitores e atribuiu as operações no Nordeste à estrutura que a corporação dispõe na região. Ele ainda disse se sentir “muito perseguido” e relatou ser alvo de ameaças“. Isso não é verdade. Porque é no Nordeste brasileiro é que temos nove estados, nove superintendências. Temos a maior estrutura da PRF no Brasil, a maior quantidade de unidades da PRF”, disse.

A deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ), disse ter solicitado informações à PRF e acusou Silvinei de apresentar informações erradas à comissão. “O seu efetivo nos quatro Estados do Sudeste é maior do que o dos nove Estados do Nordeste. Mais uma vez você dá um dado errado à CPMI”, afirmou.

Silvinei, contudo, não respondeu à deputada. Ele também não explicou à relatora os motivos de a PRF ter destinado a maior parte dos R$ 3,6 milhões disponíveis para pagamento de diárias no segundo turno à região Nordeste. Ele ainda atribuiu aos chefes locais da corporação a responsabilidade pelas ordens para a realização das operações.

PUBLICIDADE

A relatora chegou a sugerir que Silvinei fosse preso, mas o pedido não encontrou guarida com o presidente da CPMI. Se ele (Arthur Maia) tivesse disposição para isso, eu estava com elementos suficientes (para pedir a prisão). Ele falou que não quis, talvez para contemporizar por ser o primeiro depoimento”, disse Eliziane.

“A gente não pode normalizar a prática de mentira. Ele desde o primeiro momento que chegou aqui ficou mentindo”, completou. “A gente sai com essa convicção de que havia, sim, por parte da Polícia Rodoviária Federal um etendimento de focar essas operações na região do Nordeste”, afirmou no final da sessão.

Já o presidente disse ao final da oitiva que é “claro” que Silvinei não mentiu e que ele não era delegado para sair prendendo as pessoas.

Publicidade

Em contrapartida, deputados e senador aliados do ex-presidente Bolsonaro saíram em defesa de Silvinei. A senadora Damares Alves (PL-DF) disse que os governistas “não acharam nada” que relacionasse o policial aposentado à orquestração de um golpe . “O que eu estou vendo hoje é a desconstrução de imagem de um servidor brilhante. O Brasil está te aplaudindo”, afirmou.

O ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Silvinei Vasques, presta depoimento na Comissão Parlamentar Mista de Inquérito ( CPMI) dos Atos Golpistas Foto: WILTON JUNIOR

No dia do segundo turno das eleições de 2022, o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Alexandre de Moraes, chegou a se reunir às pressas com Silvinei para ordenar a suspensão das blitzes. Na véspera da votação, Moraes expediu decisão para proibir que a PRF abordasse veículos utilizados no transporte público de eleitores. Chegado o dia 30, porém, as redes sociais foram tomadas por vídeos de ônibus no Nordeste paralisados por policiais rodoviários.

Apesar do descumprimento da ordem judicial, o ex-diretor da PRF fez elogios à atuação de Alexandre de Moraes. “O ministro foi muito importante nas suas decisões”, disse.

Antes do depoimento de Silvinei, a CMPI votou requerimentos, como a convocação do ex-ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) do governo Lula, general Gonçalves Dias, o G.Dias. O presidente do colegiado, Arthur Maia (União Brasil-BA), também incluiu de última hora a convocação do coronel Jean Lawand, que, por meio de mensagens, pediu ao ex-ajudante de ordens da Presidência Mauro Cid para interceder junto ao ex-presidente Jair Bolsonaro por um golpe de Estado para evitar a posse de Lula.

Silvinei assumiu o posto de diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal em abril de 2021, quando o então presidente Jair Bolsonaro deu posse a Anderson Torres no Ministério da Justiça. Nas suas redes sociais, Silvinei aparecia em fotos ao lado de Bolsonaro em eventos do governo com a presença da PRF.

Durante as eleições, ele também usou a conta para defender o voto no ex-presidente. Nos stories, compartilhou uma foto da bandeira do Brasil e escreveu: “Vote 22, Bolsonaro presidente”. A postagem foi apagada horas depois. Investigado por improbidade por apoio a Bolsonaro, Silvinei foi exonerado do cargo em dezembro.

A convocação de Silvinei foi feita durante a última sessão da CPMI, 13, quando o colegiado bateu o martelo para ouvir 36 pessoas nessa primeira fase - em sua maioria pessoas ligadas ao ex-presidente Bolsonaro. O requerimento para convocá-lo foi feito pela senadora e relatora Eliziane Gama (PSD-MA), mas outros três documentos também solicitavam a sua oitiva, sendo eles apresentados pelos senadores Ana Paula Lobato (PSB-MA) e Fabiano Contarato (PT-ES); e pelo deputado federal Rafael Brito (MDB-AL).

Publicidade

O ex-diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal (PRF) Silvinei Vasques é o primeiro depoente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) dos atos golpistas. Foto: Carolina Antunes/PR

Após mais de dois meses de pressões, presidente do Congresso Nacional e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), aceitou o pedido de criação da CPMI, em abril de 2023. O colegiado tem como objetivo investigar os ataques às sedes dos Três Poderes no dia 8 de janeiro; e tem como composição o total de 32 integrantes, sendo 16 deputados e 16 senadores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.