PUBLICIDADE

Demissão nos Correios atendeu a decisão do PDT

PUBLICIDADE

Por Agencia Estado
Atualização:

O pedido de exoneração do presidente da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, Airton Dipp, foi em cumprimento à decisão da Executiva do PDT de que todos os seus filiados devem deixar os cargos que ocupam no governo federal até 31 de janeiro. O prazo foi definido na reunião da última terça-feira da executiva nacional do partido. Embora o ministro das Comunicações, Miro Teixeira, que levou Dipp para os Correios, tenha reafirmado o apoio ao governo Lula, após a decisão do PDT, Dipp em diversas ocasiões afirmou que era "um homem do partido". Ele é um dos fundadores do PDT no Rio Grande do Sul e ocupa a primeira suplência do PDT na Câmara dos Deputados. Ainda não há informações sobre a saída ou permanência de dois diretores levados por Dipp para a empresa: Gabriel Paulli Fadel, diretor administrativo, e Gerson Carrion de Oliveira, diretor econômico-financeiro.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.