PUBLICIDADE

Eduardo e Carlos Bolsonaro dizem que operação contra 'gabinete do ódio' é inconstitucional

Filhos do presidente Jair Bolsonaro criticam o cumprimento das ordens judiciais expedidas pelo pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, no âmbito do inquérito das fake news, mirando nomes ligados ao governo

Foto do author Adriana Ferraz
Por Adriana Ferraz

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filhos do presidente Jair Bolsonaro, usaram as redes sociais na manhã desta quarta-feira, 27, para criticar o cumprimento das ordens judiciais expedidas  pelo ministro Alexandre de Moraes, do STF, no âmbito do inquérito das fake news. Ambos afirmam que a ação determinada pelo Supremo Tribunal Federal é inconstitucional.

Eduardo e Carlos Bolsonaro, filhos do presidente Jair Bolsonaro Foto: Dida Sampaio/Estadão

PUBLICIDADE

Agentes da Polícia Federal realizam 29 buscas no Distrito Federal, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso, Paraná e Santa Catarina. Entre os alvos estão aliados do governo e da família, como o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson; o deputado estadual Douglas Garcia (PSL-SP); o empresário Luciano Hang; o blogueiro Allan dos Santos, do site bolsonarista Terça Livre; e a ativista bolsonarista Sara Winter.

De acordo com Carlos, a ação da PF pode ser proposital. "O que está acontecendo é algo que qualquer um desconfie que seja proposital. Querem incentivar rachaduras diante de inquérito inconstitucional, político e ideológico sobre o pretexto de uma palavra politicamente correta? Você que ri disso não entende o quão em perigo está!", afirmou em postagem feita no Twitter.

O vereador integra o chamado 'gabinete do ódio', instalado no Palácio do Planalto, apesar de não compor o governo do pai. O grupo forma a ala ideológica bolsonarista, apoiada também por parlamentares. A ação desta quarta, aliás, ainda mira os deputados federais: Daniel Lúcio da Silveira (PSL-RJ), Beatriz Kicis (PSL- DF), Carla Zambelli (PSL-SP), Filipe Barros Baptista de Toledo Ribeiro (PSL-PR), Geraldo Junio do Amaral (PSL-MG) e Luiz Phillipe Orleans e Bragança (PSL-SP), além dos deputados estaduais  Douglas Garcia Bispo dos Santos (PSL-SP) e Gil Diniz (PSL-SP). Todos considerados próximos ao presidente.

Eduardo Bolsonaro também foi às redes questionar a legitimidade da operação determinada por Alexandre de Moraes. "Esse não é aquele inquérito que a PGR (ex-procuradora-geral da República) Raquel Dodge pediu para arquivar mas o Min. STF Alexandre de Moraes não permitiu e deu continuidade? Achei que não existisse processo judicialiforme no Brasil... Não é o MP/PGR titular da ação penal?"

O deputado compartilhou um vídeo que mostra a imprensa de plantão na casa do blogueiro Allan dos Santos com o seguinte comentário: "Aos que acreditavam que o Brasil teria medidas autoritárias após as eleições de 2018 acertaram, só não contavam que a ordem ditatorial não viria do presidente que eles tanto xingam de ditador." Os jornalistas estão na calçada. de plantão.

Na sequência, Eduardo mandou um recado às colegas Bia Kicis e Carla Zambelli: "Prezadas,vale lembrar que deputado só pode ser preso mediante flagrante delito de crime inafiançável. Se for para ser ouvido o deputado é que marca hora e local. Quem não respeitar isso comete, no mínimo, abuso de autoridade", avisou. O STF, no entanto, não expediu ordens de prisão, mas apenas de busca e apreensão.

Publicidade

O inquérito aberto em 14 de março de 2019, por portaria assinada pelo presidente do STF, ministro Dias Toffoli, tem como foco investigar a existência de uma rede de divulgação de notícias falsas contra autoridades, além de seus financiadores.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.