EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Um olhar crítico no poder e nos poderosos

Opinião|Guerra de versões

O núcleo pro-impeachment passou por um susto na noite de sexta-feira, quando o placar a favor caiu abaixo dos 342 votos necessários. Foi um corre-corre, mas os líderes rapidamente convenceram indecisos a se manifestarem publicamente a favor, para quebrar a sensação de reviravolta. Aparentemente, deu certo. O placar da tarde de sábado registra 347 votos confirmados pro-impeachment, com margem de cinco a mais do que o mínimo.

PUBLICIDADE

Foto do author Eliane Cantanhêde
Atualização:

O vice-presidente Michel Temer fez a parte delevoltando para Brasília já de manhã e retomando a romaria de deputados ao Palácio do Jaburu, residência oficial, como forma de demonstrar força. Dezenas de carros cruzaram os portões, inclusive conduzindo votos de parlamentares computados até agora como "indecisos".

PUBLICIDADE

No Salão Verde da Câmara, grande agitação, com governistas garantindo que o impeachment não passa e oposicionistas jurando contrário, enquanto uma multidão de jornalistas, inclusive estrangeiros, anda de um lado para outro.

Foi nesse clima que Rogério Chequer, do "Vem Pra Rua", anunciava 352 votos declarados a favor do impeachment e o deputado José Carlos Hauly dizia que setores de inteligência das Forças Armadas já computavam 369. De longe, o ex-ministro Orlando Silva, do PC do B, gritou: "Não vai passar. Pode anotar aí!"

O fato é que ninguém vai dormir de sábado para domingo, porque, eleições no Congresso apertadas assim são como futebol: ninguém ganha de véspera.

 

Publicidade

 

Opinião por Eliane Cantanhêde

Comentarista da Rádio Eldorado, Rádio Jornal (PE) e do telejornal GloboNews em Pauta

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.