PUBLICIDADE

Golpista que ameaçou ‘colapsar o sistema’ diz que ‘não sabia’ que cometia crime ao invadir Planalto

Ana Priscila Azevedo presta depoimento à CPI dos Atos Antidemocráticos na Câmara Legislativa do DF; ela está presa desde o dia 10 de janeiro

Foto do author Tácio Lorran
Por Tácio Lorran
Atualização:

BRASÍLIA – Apontada pela Polícia Federal como uma das organizadoras dos atos antidemocráticos do dia 8 de janeiro, Ana Priscila Azevedo afirmou nesta quinta-feira, 28, que “não sabia” que estava cometendo crime ao invadir o Palácio do Planalto e participar de uma tentativa de golpe de Estado.

Presa desde 10 de janeiro, Ana Priscila ficou conhecida ao publicar um vídeo, antes dos ataques aos prédios dos Três Poderes, anunciando que iria “colapsar o sistema”, “sitiar Brasília” e “tomar o poder de assalto”. Ela ainda convocou mais de 30 mil pessoas num grupo de Telegram para irem a Brasília. “A Babilônia vai cair”, disparou.

Ana Priscila Azevedo presta depoimento na CPI dos Atos Antidemocráticos da Câmara Legislativa do DF  Foto: WILTON JUNIOR/ESTADÃO

PUBLICIDADE

“Confesso que não sabia que estava errando, e muito menos poderia imaginar que estava a praticar um crime. Jamais pensei que poderia ser proibida de falar”, afirmou Ana Priscila durante depoimento na CPI dos Atos Antidemocráticos da Câmara Legislativa do Distrito Federal.

Em sua fala inicial, ela se autointitulou “patriota”, rejeitando rótulo de golpista. “Sou patriota como devem ser todos os parlamentares. Sou patriota como deveriam ser todos os ministros do STF (Supremo Tribunal Federal). Sou patriota como deveriam ser todos os brasileiros”, disse.

A golpista foi desmentida durante o seu depoimento. Ela chegou a afirmar que a manifestação era pacífica e que não participou da depredação. Vídeos publicados pelo Estadão mostram Ana Priscila em meio à invasão do Palácio do Planalto.

Durante a sessão, Ana Priscila também afirmou que acreditava que os “patriotas” seriam bem-vindos nos acampamentos golpistas em frente ao QG do Exército, em Brasília. “Bastaria um soldado raso nos avisar que deveríamos sair, que teríamos ido embora”, disse.

Ana Priscila chegou a ser detida já no dia 8 de janeiro pelos militares do Exército que atuavam dentro do Palácio do Planalto, mas conseguiu fugir, como revelou o Estadão. Foi presa, contudo, dois dias depois em uma das fases da Operação Lesa Pátria, da Polícia Federal (PF), a mando do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes.

Publicidade

O STF começou a julgar golpistas que invadiram as sedes dos Três Poderes no dia 8 de janeiro. As penas têm variado entre 12 e 17 anos por diversos crimes, entre eles abolição violenta do Estado Democrático de Direito e golpe de Estado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.