PUBLICIDADE

Grupos de formação política se transformam ou acabam varridos pela polarização

MBL trabalha para virar partido e Renova BR passa a incluir políticos já com mandato em sua plataforma, enquanto outros grupos encerraram ou reduziram atuação

Foto do author Monica  Gugliano
Por Monica Gugliano
Atualização:

Eles surgiram há uma década com a promessa de renovar a política. Eram filhos da Lava Jato e da mobilização pelo impeachment da então presidente Dilma Rousseff (PT). Estavam nas ruas, nos programas de televisão, nas mídias sociais, sempre com o discurso de novas e transformadoras práticas, uma democracia mais saudável e, principalmente, ética na política. Passado esse tempo, com uma pandemia e três eleições (municipal e presidenciais) no meio, muitos desses movimentos que prometiam um mundo novo precisaram se transformar, sucumbiram ao velho ou simplesmente desapareceram do debate por inação.

“É que a renovação política, como tema, já era”, reconhece o cientista político Leandro Machado, que participou da fundação de dois desses grupos, o Agora e a Raps (Rede Ação Política pela Sustentabilidade) e foi co-fundador da plataforma “Tem Meu Voto”.

Congresso MBL, no início deste mês, discutiu a formação de um partido político e a criação até mesmo de uma rede de cafeterias e de uma revista Foto: Isabella Alonso Panho/Estadão

PUBLICIDADE

Sobreviveram os que tinham outros objetivos e nasceram com pautas que iam além da renovação e da ética na política simplesmente, como, por exemplo, o RenovaBR e a Raps. Mas, o Agora, por exemplo, não existe mais. O MBL busca se transformar em um partido. E o Acredito está passando por uma reformulação decidida em Congresso do grupo há poucas semanas. “Demos uma diminuída no ritmo porque estamos nos reestruturando”, explica o presidente, Iuri Belmino.

Ele observa que, até o início da pandemia, o movimento tinha ainda uma atuação forte. Mas que o isolamento pela Covid-19 foi determinante para a queda na mobilização. Além disso, a eleição e o fato de algumas lideranças terem ido para cargos nos Executivos estaduais e municipais ajudou a esvaziar o grupo. A deputada Tabata Amaral (PSB-SP) que se tornou uma das expoentes não só do Acredito, mas da mobilização de 2013 e dos anos seguintes – está em seu segundo mandato e é pré-candidata à prefeitura de São Paulo. O deputado Renan Ferreirinha (PSD-RJ) está licenciado e é secretário municipal de Educação na prefeitura do Rio. E o ex-deputado Zé Frederico (MDB-GO) é secretário de Ciência e Tecnologia no governo de Goiás. “As principais lideranças, estão em outras atuações”, diz Belmino.

Nessa reestruturação que eles estão promovendo, sobressai a preparação dos membros de olho na próxima eleição municipal. “Vai ser uma eleição muito difícil, ainda há uma grande polarização na sociedade brasileira. E nós queremos trabalhar com nossos membros para que foquem em soluções de problemas sociais, desenvolvimento e crescimento do País e saiam dessa polarização”, diz Belmino.

Tabata Amaral foi o nome mais famoso do movimento Acredito e hoje é deputada federal e pré-candidata em São Paulo Foto: Reprodução/Facebook Tabata Amaral

O Agora, segundo Leandro Machado, sofreu do mal de muitos outros movimentos: o discurso esvaziou e os melhores quadros também acabaram indo para governos municipais, estaduais ou federais. Marcelo Calero (PSD-RJ), que foi ministro da Cultura no governo de Michel Temer, por exemplo, se elegeu deputado federal e atualmente é secretário municipal de Cultura do Rio. “Também houve dificuldades de financiamento, um cenário que não mudou, e, por fim, muitos desses movimentos guinaram para a direita. Não era o nosso caso”, explica ele.

Entre os sobreviventes ainda com atuação forte estão o MBL, o RenovaBR e a Raps. Porém, com a distinção de que a Raps surgiu antes desses movimentos e nunca foi, na prática, um deles. “A Raps não foi um movimento de renovação na política. Somos, sim, uma organização que trabalha para incluir a sustentabilidade na política”, afirma Monica Sodré, diretora executiva da Raps. “Boa parte das organizações movidas pelo desejo de renovação cumpriu papel relevante naquele momento, mas a vida política mudou”, observa a cientista política Sodré.

Publicidade

Sodré considera que é uma simplificação esse mote de apenas renovar a política, porque o Congresso Nacional é estratégico em toda e qualquer mudança. “É essa a arena que traz as mudanças, e ali que elas acontecem”, diz. Em sua opinião, a sociedade tem pouco conhecimento da importância dos partidos, que se aproveitam disso para atuarem sempre com um nível muito baixo de transparência. Cita, por exemplo, a distribuição dos recursos do Fundo Partidário (R$ 1bilhão) e do Fundo Eleitoral (R$ 5 bilhões). “As nossas instituições não são irrelevantes, são imprescindíveis”, diz.

Monica Sodré, CEO da Rede de Ação Política pela Sustentabilidade (Raps) Foto: Roque de Sá

Em 2012, quando fundada a Rede de Ação Política pela Sustentabilidade – Raps, ainda não havia sinal da onda de protestos que, um ano depois, revelou a insatisfação popular com os serviços públicos, com as instituições ao mesmo tempo que reivindicava uma renovação na política. “Nós preferimos desenvolver uma rede, deixando de lado as diferenças e que buscasse soluções para nossos desafios ambientais, sociais, econômicos e políticos. É o que nós chamamos de Amizade Cívica” explica Sodré.

Um dos pontos essenciais de atenção da Raps é preparar candidatos para a disputa eleitoral, bem como qualificar aqueles que já têm mandato eletivo. Em especial, no que diz respeito às mudanças climáticas. “Somos uma organização para colocar a sustentabilidade na política”, define.

PUBLICIDADE

O RenovaBR, que surgiu junto com os movimentos de 2013, também passou por uma transformação. De um escola que formava aspirantes à ingressar na vida pública, passou a ampliar suas vagas para aqueles que já têm mandato. O diretor-executivo, Rodrigo Cobra, diz que o RenovaBR prepara quem acredita em um futuro melhor, com uma democracia mais saudável e representativa. é mostrar que a política pode ser um lugar ético e para todos(as) que apoiam a sua transformação”, explica.

Formado no Renova, o deputado Fernando Marangoni (União-SP) diz que a escola presta um serviço à sociedade, quebra paradigmas e aceita todos os matizes ideológicos. “Lugar de político é na escola”, afirma. Marangoni pondera que a importância de o Renova ter aberto suas portas àqueles que já tem mandato cumpre o objetivo de promover as mudanças de dentro para fora. “O caminho não é negar a política”, diz.

O deputado Fernando Marangoni (União-SP) é um dos nomes do Renova BR e afirma que lugar de político é na escola Foto: Vinicius Loures/Câmara dos Deputados

Por isso, diz ele, que muitos desses movimentos surgidos em 2013 não conseguiram prosseguir adiante. “Eu não diria que hoje não se quer renovar. Mas a partir do momento em que esses grupos atingiram esse objetivo, eles se esvaem”, diz.

O Movimento Brasil Livre (MBL) surfou na onda dos protestos de 2013, elegeu deputado federal sua principal liderança Kim Kataguiri (União Brasil-SP) e se prepara para lançar um partido e fortalecer suas convicções ideológicas. “Defendemos a liberdade individual, a propriedade privada e o Estado de Direito como conceitos fundamentais de uma sociedade que se propõe a ser livre, próspera e justa”, afirma Kataguiri, pré-candidato a prefeito de São Paulo, nas eleições do ano que vem.

Publicidade

“Sempre fomos um movimento com pretensão política e não necessariamente apenas um movimento de rua”, explica Kataguiri. Fizemos agora um Congresso com 2.500 pessoas, discutimos nossos trabalhos já em andamento, como a Escola Superior de Líderes, a Academia MBL. “Foi o Congresso mais robusto que já fizemos”, diz ele. E, para o próximo ano, o MBL prepara novos projetos, entre eles, uma revista que se chamará “Valete”, o mesmo nome de uma marca de café que eles lançaram e, por fim, querem criar uma rede de cafeterias, também com esse nome.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.