PUBLICIDADE

Índice de deputados reeleitos nas bancadas federais ficou abaixo de 50% em 14 Estados

No Acre, Amapá, Roraima e Sergipe os eleitores renovaram a maioria absoluta dos representantes na Câmara dos Deputados

PUBLICIDADE

Foto do author André Shalders
Por André Shalders

Nas eleições deste ano, mais da metade dos Estados reprovou seus deputados federais. Em 14 unidades da federação, os eleitores decidiram trocar a metade ou mais de seus representantes na Câmara dos Deputados. Os exemplos mais simbólicos estão no Acre, Amapá, Roraima e Sergipe, onde os eleitores optaram por renovar a maioria absoluta das bancadas. Para se ter uma ideia, dos oito parlamentares acrianos apenas um foi reeleito.

Em outros 13 Estados o movimento foi o inverso. Os números mostram que os eleitores do Rio Grande do Sul e Bahia praticamente repetiram o mesmo voto dado há quatro anos. A taxa de reeleição foi de 70%.

PUBLICIDADE

Economista de formação, Antônia Lúcia (Republicanos) foi a única deputada reeleita do Acre. Ela é casada com o também deputado e correligionário Silas Câmara, que se reelegeu pelo Amazonas. A deputada só assumiu a vaga em julho deste ano, depois que o titular, Alan Rick (União Brasil) se afastou para disputar e ganhar uma vaga ao Senado. Ou seja: dos deputados que assumiram em outubro de 2018, os acrianos não reelegeram ninguém. Ao Estadão, Antônia Lúcia atribuiu sua vitória nas urnas à “Deus, ao trabalho e aos muitos irmãos amigos” no Estado.

Na avaliação dela, a rejeição massiva aos deputados atuais seria uma tentativa dos eleitores de “ter pessoas novas para trabalharem pelo Acre e pelo Brasil”. “No meu caso, já vinha com a eleição garantida nas urnas desde 2018, mas as coligações não elegiam quem o povo queria, mas quem os partidos escolhiam. Minha vitória foi reconhecimento do trabalho incansável, mesmo eu estando fora da Câmara federal”, disse.

Assim como o Acre, outras nove unidades da federação decidiram mandar para casa mais da metade de seus deputados federais atuais: caso de Sergipe, Amapá, Roraima, Rondônia, Mato Grosso, Piauí, Alagoas, Pará e do Distrito Federal. Quatro Estados ficaram no meio do caminho: reelegeram metade da bancada e expeliram a outra metade. Foi o que ocorreu no Rio Grande do Norte, no Espírito Santo, no Tocantins e no Amazonas. Nos outros treze Estados, a renovação ficou abaixo de 50%: mais da metade dos deputados mantiveram seus mandatos.

Conhecido por não reeleger nenhum governador desde a redemocratização, o eleitorado do Rio Grande do Sul é mais benevolente quando se trata dos deputados federais. Este ano, o Estado foi o que menos renovou sua bancada na Câmara. Os gaúchos manterão em Brasília 23 de seus 31 deputados federais. É o Estado que mais reelegeu, com apenas oito representantes novos. E isto não é uma novidade destas eleições, pois em 2018 o Estado também ficou entre os que mais reelegeram deputados.

Para o professor Fernando Schüler, o governador gaúcho enfrenta desgaste por causa das contas públicas em frangalhos, o que dificulta a reeleição; os deputados não sofrem essa rejeição e aproveitam máquinas partidárias consolidadas. Foto: Werther Santana/Estadão Conteúdo

O cientista político Fernando Schüler observa que o paradoxo está relacionado às características da cena política gaúcha. Com as contas públicas estaduais em frangalhos, o governador acaba acumulando muito desgaste ao longo dos quatro anos de mandato, dificultando a reeleição. “O eleitor (gaúcho) vê o deputado federal de uma forma diferente da qual ele vê o governador. No Estado, o governador é uma figura relativamente fraca”, diz. Ele ressalta que, ao mesmo tempo, o Rio Grande do Sul conta com máquinas partidárias consolidadas. Siglas como o Progressistas, o MDB, o PT e o PDT têm capilaridade e força no Estado.

Publicidade

Municípios

Professor do Insper em São Paulo e natural de Porto Alegre (RS), Schüler aponta ainda outro fator para o paradoxo: o número elevado de municípios no Rio Grande do Sul e em outros Estados que costumam reeleger suas bancadas na Câmara. O Rio Grande do Sul é o terceiro Estado com mais municípios (497). O maior, Minas Gerais, reelegeu quase 70% de sua bancada federal este ano.

“Num Estado como o Rio Grande do Sul, com quase 500 prefeituras, essa estrutura municipalista é muito forte. Para você fazer campanha lá, precisa ir a dezenas de municípios. Precisa de dinheiro. Para você entrar e desafiar o sistema, é mais difícil.”

Fernando Schüler, cientista político e professor do Insper

Do outro lado, muitos dos Estados que mais renovaram suas bancadas têm poucos municípios: caso do Amapá e de Roraima, além do Acre. O grande número de prefeituras aumenta o custo para um iniciante fazer campanha nos grandes Estados. “Num Estado como o Rio Grande do Sul, com quase 500 prefeituras, essa estrutura municipalista é muito forte. Para você fazer campanha lá, precisa ir a dezenas de municípios. Precisa de dinheiro. Para você entrar e desafiar o sistema, é mais difícil”, diz Schüler.

Depois do Rio Grande do Sul, a Bahia foi o Estado que menos renovou sua bancada na Câmara. Dos 39 representantes do Estado, 28, ou 71%, continuarão trabalhando. Assim como o Rio Grande do Sul, é um estado com muitas prefeituras: são 417, o quarto maior número do País.

Na avaliação do cientista político baiano Cláudio André de Souza, a baixa manutenção está ligada a uma tradição oligárquica iniciada com o ex-governador Antônio Carlos Magalhães, o ACM (1927-2007). A partir de 2006, o PT passa a dar as cartas no Estado com a eleição de Jacques Wagner para o Palácio de Ondina, mas a concentração do poder permanece. “A gente ainda tem, nos partidos mais competitivos, chapas (para deputado federal) que são marcadas por carreiras políticas estáveis, por quadros políticos estáveis”, afirma o pesquisador.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Professor da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), universidade federal criada em 2001, ele ainda aponta outro fator: é que o cargo de deputado federal é um dos mais importantes para quem quer alcançar o poder executivo. Para virar secretário de Estado, governador, ou disputar uma prefeitura de uma grande cidade. “Então, isso gera uma estabilidade”, afirma. “Depois da derrocada do carlismo, em 2006, a gente passa a ter novas lideranças ascendendo nos grupos políticos. E esse ciclo, que começou lá em 2006, ainda está vigente. Suas lideranças ainda estão num momento de ascensão da carreira. Se a gente pensar do ponto de vista de uma carreira política, quatro ou cinco eleições não é um tempo tão grande”, diz o cientista político.

Decano

Contraditoriamente, o atual decano da Câmara – isto é, o deputado que está há mais tempo na Casa – vem de um Estado que não costuma reeleger seus representantes. Átila Lins (PSD) do Amazonas assumiu seu primeiro mandato em 1º de fevereiro de 1991 e nunca mais saiu. Este ano, foi reeleito pela nona vez. “Eu já vi dois impeachments”, diz, referindo-se a Fernando Collor (1992) e Dilma Rousseff (2016). “Não é fácil chegar a nove mandatos como federal”, afirma. Para chegar lá, conta, não basta levar emendas e serviços para o Estado. “Eu estou sempre cuidando para ver se o governo está tendo uma presença nos municípios do interior”, ressalta. Ele cita a abertura de novas agências da Caixa Econômica no interior.

Presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL) foi uma das lideranças de destaque nacional que saíram das urnas como campeões de votos. Lira foi o mais votado em Alagoas que lhe deu o quarto mandato consecutivo. Ao Estadão, disse que conseguiu aumentar o número de votos porque ampliou sua base de prefeitos. Da atual bancada, só quatro voltarão.

Publicidade

A visibilidade na Câmara e a possibilidade de enviar recursos para os redutos nem sempre são garantias de votações em massa. Dos deputados federais eleitos mais votados em seus Estados, 16 vão cumprir o primeiro mandato na Casa. Desses campeões de votos, alguns já exercem mandatos na Assembleia Legislativa de seu estado, como os atuais deputados estaduais Toinho Andrade (Republicanos-TO), Tenente Coronel Zucco (Republicanos-RS) e André Fernandes (PL-CE).

No Tocantins, apenas quatro deputados federais foram reeleitos. No Ceará, a taxa de renovação foi maior. O eleitor renovou o mandato de 15 dos atuais representantes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.