Atos nas ruas pedem impeachment de Gilmar Mendes

Manifestações, que acontecem em São Paulo, Rio e Brasília, também são marcadas por declarações em defesa do presidente Jair Bolsonaro e do ministro Sérgio Moro e ofensas ao ex-presidente Lula

PUBLICIDADE

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Manifestantes se reuniram neste domingo, 17, na Avenida Paulista, em São Paulo, para pedir o impeachment do ministro Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes. O ato foi marcado também por declarações em defesa do ministro da Justiça, Sérgio Moro, do presidente Jair Bolsonaro, e ofensas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silvaà esquerda e a outros ministros do STF. 

Os manifestantes se concentraram no entorno de dois carros de som localizados nos extremos do quarteirão da avenida entre o Museu de Arte de São Paulo (Masp) e a Federação das Indústrias do Estado (Fiesp). 

Ministro do STF Gilmar Mendes foi um dos principais alvos dos manifestantes na Avenida Paulista Foto: Daniel Teixeira/Estadão

PUBLICIDADE

Vestidos de verde e amarelo e carregando bandeiras do Brasil, os manifestantes se misturaram aos populares que frequentavam a Paulista, que fica fechada para os veículos nos domingos.

Do alto dos carros de som, representantes de grupos como Movimento Direita Digital, Movimento República de Curitiba e Movimento Conservador puxavam coros como “Fora Gilmar!”, “Mito” (em referência a Bolsonaro) e “Moro presente”. Também defenderam a volta de Lula para a prisão.

Manifestante atira tomate em um cartaz com imagem do ministro do STF Gilmar Mendes Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Ao lado do carro de som localizado na altura do Masp foi inflado um boneco com os rostos de Gilmar, Lula e José Dirceu. Neste ponto da Paulista, manifestantes citaram o “guru” bolsonarista Olavo de Carvalho e também dirigiram ataques ao presidente do Supremo, ministro Dias Toffoli

No outro ponto, uma enorme bandeira tinha inscrição de “Impeachment Gilmar”. Algumas pessoas jogaram tomates em cartazes que representavam ministros da Corte. Os atos foram encerrados por volta das 17h, sem registro de incidentes. A Polícia Militar não estimou o público presente na Paulista. 

Manifestantes se concentraram no entorno de dois carros de som localizados nos extremos do quarteirão da avenida entre Masp e a Fiesp Foto: Daniel Teixeira/Estadão

Em Brasília, ato reúne entre 800 e 1 mil pessoas, diz PM

Publicidade

Em Brasília, de 800 a 1.000 pessoas protestaram pedindo o impeachment de Gilmar Mendes, segundo a Política Militar do Distrito Federal. Pela manhã, a chuva comprometeu a manifestação, mas à tarde, o grupo voltou a se concentrar em frente ao Congresso Nacional, por volta das 17 horas.

Vestindo verde e amarelo, os manifestantes carregavam faixas com dizeres como “juiz que solta ladrão é inimigo da nação”, “Gilmar Mendes, impeachment já”, “fora corruPTos” – em alusão ao PT – e “prisão em segunda instância já”.

Dois carros de som conduziram os manifestantes até o Palácio do Supremo. Boa parte vestia camisetas com foto do ministro Sérgio Moro e a frase “caçador de corruptos”. Os manifestantes rezaram o “Pai Nosso” e carregaram uma bandeira gigante com as cores verde e amarela. Por volta das 19h, os manifestantes encerraram o ato cantando o Hino à Bandeira Nacional. 

No Rio, Gilmar é chamado de ‘inimigo número um do Brasil’

No Rio, a manifestação pedindo o impeachment de Gilmar Mendes ocorreu pela manhã, na praia de Copacabana, na altura do Posto 6. 

Organizado pelo Movimento Nas Ruas, Movimento Conservador e Movimento Brasil Conservador, o evento contou com dois carros de som e conseguiu reunir algumas dezenas de pessoas, que ocuparam menos de um quarteirão da orla.

Os manifestantes que compareceram também estavam, em sua maioria, vestidos de verde e amarelo, enrolados em bandeiras do Brasil. “Gilmar Mendes vai cair” e “Fora Gilmar Mendes” eram os slogans mais repetidos pelos participantes. 

Publicidade

O juiz do STF foi chamado também de “inimigo número um do Brasil”. O ato tinha um boneco inflável gigante do ex-presidente Lula com os dizeres “cafetão de Gilmar”. /DIDA SAMPAIO e CAIO SARTORI

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.