PUBLICIDADE

Manifestantes fazem manual para evitar serem chamados de golpistas durante ato no feriado

Apoiadores de Bolsonaro orientam manifestantes a evitar cartazes pedindo intervenção militar, apesar de atos convocados em frente aos quartéis do Exército

PUBLICIDADE

Foto do author Daniel  Weterman
Por Daniel Weterman
Atualização:

BRASÍLIA - Manifestantes prepararam uma espécie de manual para evitar que sejam acusados de “golpistas” durante os atos convocados para este feriado, 15 de novembro, em frente aos quartéis do Exército. A estratégia é desvincular o movimento de um ato criminoso.

PUBLICIDADE

Em Brasília, há um acampamento montado em frente ao Quartel General do Exército. O grupo é formado por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro (PL), derrotado nas eleições presidenciais, e defende a intervenção militar.

Os manifestantes querem evitar a posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas resolveram defender publicamente pautas mais genéricas, como o apoio à liberdade de expressão, ao poder soberano do povo e pedidos de “socorro” às Forças Armadas. Em frente ao QG há faixas com mensagens como “SOS Forças Armadas” ou “Exército nos salve”.

Mensagem em grupo de manifestantes Foto: Reprodução

Em grupos que organizam as manifestações, há mensagens orientando como deve ser o protesto. Eles alertam para possíveis infiltrados e até para a presença da imprensa no acampamento. Os organizadores pedem para que as declarações fiquem claras: não à censura; ilegitimidade nas urnas; justiça; e não à corrupção. Apesar dos questionamentos ao resultado da eleição, a Justiça Eleitoral atestou a segurança do processo e a transição de governo está em curso.

A palavra “intervenção” tem sido evitada. Apesar disso, todos os atos se dirigem aos militares e o acampamento em Brasília está montada numa praça em frente ao QG do Exército.

Outra mensagem enviada aos manifestantes traz um “ponto a ponto” com orientações, como não sair de frente dos quartéis, não ir para a frente do Congresso e do Supremo Tribunal Federal (STF) e “não fazer baderna”.

Mensagem em grupo de manifestantes Foto: Reprodução

O governo do Distrito Federal vai impedir o trânsito de veículos na Esplanada dos Ministérios e manterá bloqueado o acesso de pedestres à Praça dos Três Poderes, onde fica a sede do Supremo Tribunal Federal (STF). Os manifestantes também tentam desvincular os atos da influência do presidente Jair Bolsonaro, e pedem para que imagens e temas da campanha de Bolsonaro não fiquem expostos.

Publicidade

Batalhão de Choque da Polícia Militar do Distrito Federal fazendo guarda em frente ao Museu Nacional no esquema de segurança para proteger a Esplanada. Foto: Wilton Junior / Estadão
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.