PUBLICIDADE

Pacheco tem 22 votos declarados e Marinho, 13, mostra ‘Placar Estadão’ da disputa pelo Senado

Maioria dos senadores aguarda decisão das legendas e posicionamento das bancadas partidárias deve definir resultado

PUBLICIDADE

Foto do author Adriana Ferraz
Foto do author Vera Rosa
Foto do author Davi Medeiros
Foto do author Natália Santos
Foto do author Samuel Lima
Por Adriana Ferraz , Vera Rosa , Davi Medeiros , Natália Santos , Samuel Lima e Isabella Alonso Panho
Atualização:

BRASÍLIA E SÃO PAULO – O atual presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), soma mais votos declarados em sua tentativa de reeleição do que seu principal adversário na disputa, Rogério Marinho (PL-RN), de acordo com o Placar Estadão. Na última semana, a reportagem consultou todos os 81 senadores que irão compor a próxima legislatura, entre eleitos e reeleitos. Pacheco tem 22 votos e Marinho, 13.

Eduardo Girão (Podemos-CE) também se apresenta como candidato, e, por enquanto, tem apenas o próprio voto. A maior parcela dos parlamentares ainda aguarda reuniões de bancada para se posicionar publicamente na disputa. A eleição que vai escolher a cúpula do Congresso para o biênio 2023/2025 está marcada para o dia 1.º de fevereiro.

Bancadas

PUBLICIDADE

Segundo relatos colhidos pelo Estadão, aliados do atual presidente do Senado acreditam que hoje ele tem, potencialmente, perto de 40 votos – são necessários 41 para vencer a disputa em primeiro ou segundo turno. O número equivale à soma dos senadores de PSD, MDB, PT, PSDB, PDT, PSB e Rede, legendas que devem confirmar apoio ao nome de Pacheco.

Na avaliação de parlamentares ouvidos pela reportagem, os ataques do dia 8 em Brasília fortaleceram a candidatura à reeleição porque o discurso de radicais do bolsonarismo atingiu o Congresso institucionalmente e se tornou um obstáculo para o avanço da candidatura de Marinho, ex-ministro do Desenvolvimento Regional de Jair Bolsonaro.

Como mostrou o Estadão, a corrida pelo Congresso ganhou contornos de terceiro turno da eleição presidencial, opondo Pacheco, que tem tido sua imagem associada a Lula, e Marinho, ligado a Bolsonaro. O tema tem mobilizado as redes sociais, sobretudo por empenho de apoiadores do ex-presidente.

Aliados do presidente do Senado dizem que defensores do golpe e do impeachment de ministros do Supremo Tribunal Federal estão representados na candidatura de Marinho. Na prática, o discurso do ex-ministro de Bolsonaro é o mesmo da campanha do ex-presidente. Na outra ponta, Pacheco defende programas de Lula, como o Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida.

“Pacheco teve nos últimos dois anos uma postura muito equilibrada. Defendeu a lisura das urnas e combateu com coragem os ataques à democracia. Isso foi essencial diante de um presidente incendiário”, declarou o senador Otto Alencar (PSD-BA).

Publicidade

Rogério Carvalho (PT-SE) disse confiar em uma votação ampla para Pacheco. “Terá mais de 55 votos”, afirmou o parlamentar. O ex-presidente da Casa Renan Calheiros (MDB-AL), também aliado do senador do PSD, falou em eleição “tranquila”.

Divisão

O placar mostra, porém, que há partidos divididos, como o União Brasil e o Podemos, e outros que tendem a fechar com Marinho, como o próprio PL, o Republicanos e o PP, partido do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Nos bastidores, porém, uma ala do PP já admite votar em Pacheco.

Ciente de uma possível traição, uma vez que o voto é secreto, o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, afirmou que o partido – que possui a maior bancada na Câmara dos Deputados, de 99 parlamentares – só apoiará Lira – que busca a recondução ao comando da Casa – se o PP aderir oficialmente à campanha de Marinho.

“Vamos nos reunir na próxima terça-feira para tratar desse assunto”, afirmou o senador Esperidião Amin (PP-SC), diante da resistência de parte dos colegas em seguir com a candidatura de Marinho. “A política é muito mais complexa do que a aritmética.”

“Vamos nos reunir na próxima terça-feira para tratar desse assunto. A política é muito mais complexa do que a aritmética”

Esperidião Amin (PP-SC),senador

Ministros

PUBLICIDADE

Os cinco senadores que se tornaram ministros de Estado deverão participar da eleição do Congresso e só depois deixarão a legislatura. Renan Filho (MDB-AL), novo ministro dos Transportes, declarou voto em Pacheco.

Camilo Santana (PT-CE), titular da Educação do governo Lula, afirmou que acompanhará o voto do PT, que deve formalizar apoio à reeleição do atual presidente do Senado na próxima semana, depois de uma reunião marcada para o dia 26 no gabinete do senador Fabiano Contarato (PT-ES), líder da sigla na Casa.

Carlos Fávaro (PSD-MT), ministro da Agricultura, Flávio Dino (PSB-MA), titular da Justiça e Segurança Pública, e Wellington Dias (PT-PI), do Desenvolvimento Social, não se manifestaram.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.