PUBLICIDADE

OAB escolhe filho de ministro e advogado que pediu ‘guilhotina’ a Lula para vaga no TST

Lista sêxtupla escolhida pela OAB será reduzida a uma lista tríplice; decisão final caberá ao presidente Lula

Foto do author Tácio Lorran
Por Tácio Lorran
Atualização:

BRASÍLIA - O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) escolheu nesta segunda-feira, 11, os seis nomes que irão disputar uma vaga no Tribunal Superior do Trabalho (TST). A vaga é resultado da aposentadoria do ministro Emmanoel Pereira.

Entre os escolhidos pela OAB está o advogado Emmanoel Campelo de Souza Pereira, filho do ministro aposentado. O advogado tem bom trânsito entre os deputados federais, foi diretor da Anatel e membro do Conselho Nacional de Justiça (CNJ). É sócio do escritório Erick Pereira Advogados.

Advogado Emmanoel Campelo de Souza Pereira, escolhido pela OAB para lista sêxtupla do TST Foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado

PUBLICIDADE

A lista da OAB inclui também Adriano Costa Avelino, advogado do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). Ele já escreveu em uma rede social que a “guilhotina” é a punição para o presidente Lula (PT) e a ex-presidente Dilma Rousseff (PT). “Mas antes tem que cortar a língua para pararem de latir”, afirmou, em março de 2016.

Avelino também já falou em passar a caminhonete por cima “desses vagabundos comunistas”, referindo-se a professores que faziam protestos; defendeu o voto impresso e uma CPI do Tribunal Superior Eleitoral (TSE); e chamou Dilma de “bruxa”. Procurado, ele não se manifestou.

Veja os escolhidos:

1. Antônio Fabrício de Matos Gonçalves (MG)

2. Natasja Deschoolmeester (AM)

Publicidade

3. Roseline Morais (SE)

4. Adriano Costa Avelino (AL)

5. Raimar Rodrigues Machado (RS)

6. Emmanoel Campelo de Souza Pereira (RN)

A lista sêxtupla será encaminhada ao TST, que a reduzirá a uma lista tríplice. A escolha final do magistrado caberá ao presidente Lula. O candidato ainda precisará ser aprovado pelo Senado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.