PUBLICIDADE

Damares Alves tem paralisia facial, é internada em Brasília e aguarda resultados de exames

Senadora deu entrada no hospital com ‘dor aguda neuropática ocasionada por herpes zoster’; assessoria da parlamentar informou que a previsão é que ela tenha alta hospitalar nesta sexta, 8

Foto do author Mariana Assis
Por Mariana Assis

A senadora Damares Alves (Republicanos-DF) foi internada após uma paralisia facial nesta quinta-feira, 7, no hospital DF Star, em Brasília. A unidade de saúde disse que a parlamentar deu entrada no local com “dor aguda neuropática ocasionada por herpes zoster”. A previsão, de acordo com a assessoria da parlamentar, é que ela receba alta hospitalar nesta sexta-feira, 8.

Senadora Damares Alves  Foto: Dida Sampaio/Estadão - 23/12/2019

PUBLICIDADE

O último boletim médico, divulgado na noite desta quinta, informou que Damares Alves estava “em tratamento medicamentoso, estável clinicamente”. Na manhã desta sexta, a assessoria da senadora disse que ela passa bem e está aguardando os resultados de exames para ser liberada do hospital.

Essa não é a primeira vez que a senadora sofre paralisia facial. Em março deste ano, ela foi acometida pelo mesmo problema. À época, no X (antigo Twitter), ela contou que ficou internada por alguns dias. “Há cerca de três semanas, fui acometida pela herpes zoster, doença causada pela reativação da catapora. Minha infecção ocorreu no ouvido, caso raro, e causou uma paralisia facial. Fiquei internada alguns dias. Faço tratamento para amenizar a situação”, disse.

Entenda o que é herpes zoster

O vírus é o mesmo da catapora e, por isso, se manifesta no corpo com pequenas bolhas que coçam e ardem. O local mais comum para o aparecimento das lesões é no tronco, mas elas também podem surgir nos braços e nas pernas ou, mais dificilmente, nos ouvidos. As dores costumam ser locais, porém muito intensas.

Ao Estadão, otorrinolaringologista Paulo Dorea, membro da Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico Facial (ABORL-CCF), afirmou que algumas pessoas afetadas pela doença podem ter sequelas no rosto para sempre. “A gente tem que ficar preocupado no restabelecimento dessa função motora porque, em alguns poucos casos, pode ser que a face não volte ao normal, sendo necessária cirurgia”, afirmou o médico.

A paralisia é medida em números de 1 a 6 – quanto mais próximo de 6, maior o risco de a sequela não desaparecer. O olho é um ponto sensível. Paralisias muito agudas podem travar a pálpebra, fazendo com que o olho não feche. Nesses casos, nos quais o paciente precisa aprender a dormir de olho aberto, é necessário acompanhamento contínuo para garantir que a retina não fique seca ou lesionada.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.