PUBLICIDADE

União Brasil de SP defende não liberar Kim Kataguiri para se candidatar a prefeito pelo PSDB

Deputado, que enfrenta resistência interna, discute ir para o ninho tucano para viabilizar candidatura; tucanos também fizeram convite a Datena e Matarazzo

Foto do author Pedro Augusto Figueiredo
Por Pedro Augusto Figueiredo
Atualização:

O diretório do União Brasil em São Paulo defende que o partido não libere o deputado federal Kim Kataguiri (União) caso ele decida trocar de legenda com o objetivo de disputar a eleição para prefeito. O deputado discute se filiar ao PSDB diante da dificuldade de viabilizar sua candidatura na atual sigla. Procurada, sua assessoria não se posicionou.

PUBLICIDADE

Presidente do diretório paulistano e da Câmara Municipal, Milton Leite (União) deseja que o União Brasil apoie a reeleição do prefeito Ricardo Nunes (MDB). O vereador discutirá com Kataguiri se o partido realizará prévias para definir entre candidatura própria e o apoio ao emedebista ou adia a decisão para a convenção partidária prevista para o final de julho e início de agosto.

Além do apoio, Leite também busca se cacifar para ser indicado como vice na chapa de Nunes. A indicação passará pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), que defende o nome de ex-comandante da Rota, coronel Mello Araújo, e pelo governador Tarcísio de Freitas (Republicanos), que quer a secretária Sonaira Fernandes (PL). Ainda há a possibilidade de Aldo Rebelo ficar com a vaga. Ele deve ser filiar a um partido aliado até sexta para se manter na disputa.

Kim Kataguiri é pré-candidato a prefeito pelo União Brasil, mas enfrenta resistência de Milton Leite, que quer apoiar Ricardo Nunes Foto: Zeca Ribeiro / Câmara dos Deputados Foto: Zeca Ribeiro

Aliados do chefe do Legislativo paulistano argumentam, porém, que ele agrega mais votos do que os nomes colocados até o momento, principalmente nas periferias das zonas Sul e Leste da capital paulista.

Kim Kataguiri vai debater seu futuro partidário com o Movimento Brasil Livre (MBL) e tem até sexta-feira, 5, para tomar uma decisão. Pesam contra a saída dele o apoio do presidente do União, Antônio Rueda, e do secretário-geral, ACM Neto, e a esperança que a direção nacional prevaleça sobre o diretório municipal.

O parlamentar teria que apresentar uma justa causa, como perseguição da legenda ou desvio do programa partidário, para conseguir deixar o União Brasil sem perder o mandato na Câmara dos Deputados. A janela partidária que termina na sexta-feira permite que somente vereadores troquem de partido sem o risco de perder o mandato.

A possibilidade da ida de Kataguiri para o PSDB surgiu em meio à indefinição sobre o que a sigla fará na eleição para prefeito da maior cidade do país. Depois de rejeitarem apoio a Nunes, os tucanos querem lançar um candidato próprio ou apoiar a deputada federal Tabata Amaral (PSB).

Publicidade

A primeira alternativa esbarra na falta de nomes para encabeçar a candidatura, daí a conversa com o líder do MBL —os oito vereadores deixaram o partido porque defendiam a aliança com Nunes. O PSDB também convidou o apresentador José Luiz Datena, atualmente no PSB, para se filiar à sigla. Os convites a Kataguiri e Datena foram revelados pelo jornal O Globo e confirmados pelo Estadão.

“Nós estamos conversando com todo mundo e não vamos nos colocar limites no propósito de fortalecer o centro democrático na eleição de São Paulo. Esse é o protagonismo que o PSDB vai ter, fortalecer essa posição para torná-la competitiva. Há hipóteses: o Kim, o Datena, o Andrea Matarazzo que estamos tentando ver se trazemos”, disse José Aníbal, presidente do diretório do PSDB em São Paulo.

Procurado, Datena preferiu não se manifestar. Ele poderia tanto encabeçar a chapa tucana como ser vice de Tabata, selando a aliança entre a deputada e o PSDB. O convite ao apresentador foi referendado pelo governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), que busca ter um palanque forte em São Paulo para viabilizar uma candidatura presidencial como terceira via em 2026.

Tucano histórico, Matarazzo deixou o partido em 2016, quando se filiou ao PSD e foi vice na chapa de Marta Suplicy, então no MDB, que terminou na terceira colocação com 10% dos votos para a Prefeitura de São Paulo. Ele estaria resistindo a retornar ao PSDB neste momento para ser candidato a prefeito.