PUBLICIDADE

Criança morre após cair de brinquedo em escola em SP

Segundo o boletim de ocorrência, menino de 7 anos estava brincando quando saltou do equipamento e caiu, batendo a cabeça no chão

Foto do author Renata Okumura
Por Renata Okumura

Uma criança de 7 anos morreu após cair de um brinquedo na área de playground da Escola Municipal Jornalista José Carlos Tallarico em Capão Bonito, no interior de São Paulo, a 230 quilômetros da capital. O acidente aconteceu na tarde de quinta-feira, 1º. A Polícia Civil de São Paulo investiga o caso.

Segundo o boletim de ocorrência, André Juliano estava brincando quando saltou do brinquedo e caiu, batendo a cabeça no chão. Imediatamente, funcionários da rede de ensino acionaram as equipes de emergência da cidade. “Ele foi socorrido pelo resgate do Corpo de Bombeiros ao PS Central, mas não resistiu ao trauma”, disse a Secretaria da Segurança Pública de São Paulo (SSP).

Uma criança de 7 anos morreu após cair de um brinquedo na área de playground da Escola Municipal Jornalista José Carlos Tallarico em Capão Bonito. Foto: Divulgação/Secretaria de Educação de Capão Bonito

O Instituto de Criminalística (IC) e o Instituto Médico-Legal (IML) também foram acionados para atendimento no local do acidente.

“Mais detalhes serão preservados para garantir a autonomia do trabalho policial e por envolver um menor de idade”, disse ainda a SSP. As causas do acidente ainda estão sendo apuradas.

Dependências da Escola Municipal Jornalista José Carlos Tallarico em Capão Bonito, no interior de São Paulo, onde uma criança morreu após cair de um brinquedo. Foto: Divulgação/Secretaria de Educação de Capão Bonito

Nas redes sociais, o prefeito Júlio Fernando Galvão Dias (Pode) lamentou o acidente e prestou solidariedade. “Registro o meu profundo pesar e solidariedade à família do estudante André Juliano da Escola Municipal Jornalista José Carlos Tallarico”, publicou.

O prefeito decretou luto oficial de três dias em razão da morte. As aulas estão suspensas por tempo indeterminado.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.