PUBLICIDADE

Relatório final sobre tragédia do voo 447 indica que avião fez os pilotos errarem

Equipamentos do Airbus A-330 deram ordens erradas aos tripulantes para aeronave ganhar altitude

Por Andrei Netto e Le Bourget
Atualização:

O Escritório de Investigações e Análises para a Aviação Civil (BEA) disse ontem, em seu relatório final, que equipamentos do Airbus A-330 deram ordens erradas a pilotos para ganhar altitude - o que levou à perda de sustentação e queda do voo AF-447 (Rio-Paris), em 31 de maio de 2009, deixando 228 mortos. A informação isenta em parte a tripulação, sobre a qual vinha recaindo a culpa.O relatório, de mais de 300 páginas, ainda aponta falhas técnicas no Airbus, lacunas no treinamento da Air France e omissões de agências de aviação. Inicialmente, confirma que o congelamento dos sensores de velocidade do avião, os tubos de Pitot, foi o que "detonou" o incidente. Depois, instrumentos de navegação, como piloto automático e controle de propulsão, foram desligando ou sendo afetados por erros de informação. Pelos relatórios parciais, sabia-se que o piloto em função, Pierre-Cedric Bonin, de 32 anos, havia respondido a essas falhas puxando o joystick da aeronave, para ganhar altitude. Essa decisão errada fez o avião perder sustentação, iniciando a queda. No último ano, especialistas do BEA conseguiram reconstituir dados matemáticos do "diretor de voo", um dos instrumentos eletrônicos de navegação. E eles são reveladores. Segundo o relatório, quando o controle do avião foi "entregue" pelo piloto automático a Bonin, o diretor de voo se desligou por segundos. Quando voltou a funcionar, deu ordem para "cabrar" (ganhar altitude). Essa orientação também foi apresentada ao piloto várias vezes nos 4 minutos de queda. "Quando o avião estava em perda de sustentação, era necessário fazer o contrário, baixar o nariz", reconheceu Léopold Sartorius, chefe do grupo de trabalho de Sistemas Aviônicos do BEA. Outro fator que levou Bonin a "cabrar" foi o fato de a velocidade aferida pelos tubos de pitot (errada) estar próxima da máxima. O ruído provocado na estrutura da aeronave também poderia ser sinal de velocidade extrema, mas na realidade já era sintoma da perda de sustentação. "Mais de um fator induziu o piloto", confirmou Luís Cláudio Lupoli, da Força Aérea Brasileira. Por fim, peritos observam que, após serem induzidos ao erro, pilotos podem ter falhado ao não desligar o diretor de voo nem prestar atenção aos alarmes sonoros de perda de sustentação. As razões disso não foram esclarecidas. Nem jamais serão, segundo especialistas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.