PUBLICIDADE

Silvia Poppovic relata ter sido vítima de assalto em SP: ‘Quase arrancaram minhas mãos’; veja vídeo

Em vídeo nas redes sociais, apresentadora relatou estar bem, embora agredida de ‘corpo e alma’; SSP diz que o caso está sendo investigado pelo 4° Distrito Policial (Consolação)

Foto do author Renata Okumura
Por Renata Okumura
Atualização:

A apresentadora de TV Silvia Poppovic afirmou ter sido vítima de assalto na esquina da sua residência no domingo, 14. Por meio das redes sociais, ela relatou o episódio, assim como publicou imagens mostrando que suas mãos ficaram ensanguentadas.

“Acabo de ser assaltada, na esquina da minha casa! Me deram uma chave de pescoço, pelas costas, me derrubaram no chão e quase arrancaram minhas mãos! O ladrão levou meu anel e, felizmente, não teve tempo de tirar as pulseiras e levar o celular! Do chão, comecei a gritar e ele fugiu”, disse a apresentadora.

Apresentadora é vítima de assalto no domingo, 14. Foto: Reprodução/Instagram/Silvia Poppovic

Na publicação, ela lamenta o ocorrido e cita indignação. “Fiquei com o coração partido com toda essa violência que nos cerca. Não dá mais”, reclamou ela.

A jornalista não disse o bairro onde mora e não citou se registrou um boletim de ocorrência. O Estadão ainda não conseguiu contato com a apresentadora.

Caso sob investigação policial

PUBLICIDADE

Por sua vez, procurada pela reportagem, a Secretaria da Segurança Pública do Estado de São Paulo (SSP) disse que o caso está sendo investigado pelo 4° Distrito Policial (Consolação), área dos fatos.

“A vítima, de 69 anos, compareceu na delegacia e contou que na tarde do último domingo caminhava nas proximidades de sua residência, quando foi surpreendida por um assaltante. O criminoso a atacou e tentou roubar as suas jóias, mas ela reagiu e entrou em luta corporal com o suspeito, que fugiu levando apenas um dos seus anéis”, disse a pasta.

Conforme a investigação, em razão de alguns ferimentos, a autoridade policial solicitou exames junto ao Instituto Médico-Legal (IML). O caso foi registrado como roubo no 3° DP (Campos Elíseos).

Publicidade

‘Fui agredida de corpo e alma’

Também por meio das redes sociais, a apresentadora voltou a se manifestar na manhã desta segunda-feira, 15. “Fui agredida de corpo e alma. Você sai de uma experiência dessa completamente destruída, vulnerável, se sentindo zero. Até quando tanta violência? Eu não consigo me conformar que São Paulo está ficando cada vez pior. Eu não quero entrar nesse grupo que fala que vai ter que mudar de País. A gente não vai abrir mão do meu nosso País nem da nossa cidade”, afirmou ela.

Ela explica como sobreviveu a toda a violência durante o assalto do dia anterior, que, segundo ela, foi algo realmente covarde. Fui à casa de um amigo para almoçar, aniversário dele. Ele mora a cinquenta metros aqui de casa. A cinquenta metros, literalmente, meio quarteirão. Eu vim andando e de volta do almoço, de repente, alguém, este bandido, me pegou e me deu uma chave de braço, assim me estrangulou”, explicou a apresentadora, mostrando, por meio do vídeo, como foi abordada pelo criminoso.

Ela cita que está com o pescoço bastante machucado. “Toda a cabeça dolorida. Os ombros doloridos também. Ele me deu um chute nas pernas, e me derrubou no chão. Estou com as mãos machucadas”, acrescentou a jornalista, mostrando os ferimentos.

Segundo ela, quando as mãos começaram a sangrar, o próprio indivíduo ficou desesperado também. “Eu falei: calma. Eu te dou telefone. Calma. Nessa violência toda física, passou um carro e ele decidiu fugir. Já levando um dos meus anéis, que foi difícil de sair da mão. Rasgou até parte do meu dedo”, disse Silvia.

PUBLICIDADE

“Não consigo aceitar que a gente não pode sair a pé na calçada da gente. Que vida eu vou ter? Para planejar a minha velhice, vou ter de ficar dentro de casa? Não vou poder sair nunca sozinha pela rua porque algum bandido deste pode vir (me atacar). Se eu que moro em um bairro rico não tenho nenhuma proteção policial, imagina como está na periferia”, indagou a apresentadora, ao citar que a população deve se unir para cobrar mais segurança pública.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.