PUBLICIDADE

8 dicas para prevenir a obesidade desde a infância

Excesso de peso entre crianças e adolescentes aumentou quatro vezes nos últimos 30 anos; prevenção começa no período gestacional

Por Victória Ribeiro

Um novo estudo realizado pela NCD Risk Factor Collaboration (NCD-RisC), em colaboração com a Organização Mundial de Saúde (OMS), revela que os índices de obesidade entre crianças e adolescentes aumentaram quatro vezes nos últimos 30 anos. Em 2022, 159 milhões conviviam com a doença – 303% a mais do que em 1990.

No Brasil, o cenário também é preocupante. Uma pesquisa conduzida em 2023 pelo Observatório de Saúde na Infância (Observa Infância - Fiocruz/Unifase) mostrou que o número de crianças e adolescentes com excesso de peso, englobando casos de sobrepeso e obesidade, cresceu entre 2019 e 2021, período que abrange a pandemia de covid-19. Houve um aumento de 6,08% entre as crianças de até 5 anos, e de 17,2% entre aquelas com idades entre 10 e 18 anos.

Obesidade infantil disparou nos últimos anos. Cenário preocupa especialistas, já que esse quadro está por trás de inúmeras doenças ao longo da vida. Foto: Africa Studio/Adobe Stock

PUBLICIDADE

A obesidade é considerada uma doença crônica e um dos maiores problemas de saúde pública no mundo. Segundo Crésio Alves, presidente do Departamento de Endocrinologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), crianças obesas têm grandes chances de desenvolver outros tipos de problemas a longo prazo, como dislipidemia, que é a alteração do colesterol e triglicérides; hipertensão arterial; diabetes do tipo 2; acidente vascular cerebral (AVC); doenças cardiovasculares e até mesmo alguns tipos de câncer.

Clayton Dornelles, endocrinologista e coordenador do Departamento de Atividade Física da Associação Brasileira de Estudos da Obesidade e Síndrome Metabólica (Abeso), afirma que a obesidade infantil pode estar relacionada a fatores genéticos, mas, na maioria das vezes, está ligada a aspectos ambientais, culturais e comportamentais, sendo reversível.

Abaixo, veja 8 dicas para prevenção da obesidade infantil:

1- Controle o peso na gestação

Alves destaca que as medidas preventivas podem começar já no planejamento da gestação. Ele ressalta que isso ajuda a evitar o sobrepeso durante a gravidez, um fator que está associado ao nascimento de bebês prematuros, de baixo peso ou macrossômicos. “Esses grupos têm maior predisposição para desenvolver obesidade. Além disso, o perfil de dieta da gestante pode interferir diretamente nos padrões alimentares da criança após o nascimento”, afirma.

2- Valorize a fase da alimentação complementar

Ainda de acordo com o especialista, a alimentação nos primeiros anos de vida desempenha um papel fundamental na prevenção da obesidade infantil.

Publicidade

“O aleitamento materno é essencial, devendo ser exclusivo nos primeiros seis meses, e complementado com outros alimentos até os 2 anos”, ressalta Alves. No caso de impossibilidade de amamentar, fórmulas infantis podem ser uma alternativa, desde que adequadas à idade e às necessidades nutricionais da criança.

Após essa etapa, inicia-se a introdução alimentar, momento em que os pais devem estimular o consumo de frutas, legumes, verduras, carnes magras e laticínios. O endocrinologista também ressalta a importância de desfazer certos hábitos culturais, como oferecer suco de frutas para crianças antes de 1 ano de idade. O mais adequado é apostar nas frutas in natura cortadas em pedaços.

“Além disso, é crucial evitar adoçar bebidas e alimentos nos primeiros dois anos de vida, visando prevenir o excesso de calorias”, enfatiza.

3- Evite alimentos ultraprocessados

Na opinião de Dornelles, que também é presidente do Departamento de Endocrinologia do Exercício da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), os elevados índices de obesidade infantil estão estreitamente ligados ao consumo de itens ultraprocessados.

PUBLICIDADE

Esse grupo é composto por alimentos e bebidas que foram submetidos a métodos mais agressivos de alteração do produto in natura, além da adição de substâncias de uso industrial, como aromatizantes, corantes, conservantes, emulsificantes e outros aditivos. Aqui, entram as bebidas lácteas, barrinhas de cereais, macarrão instantâneo, sucos em pó, nuggets de frango, bolachas e biscoitos, por exemplo.

Dornelles ressalta a influência significativa do exemplo familiar nesse contexto. “O ambiente alimentar desempenha um papel fundamental ao promover hábitos inadequados, caracterizados por um alto teor calórico e uma preferência por alimentos industrializados”, afirma.

4- Respeite os sinais de saciedade

Alves pede um olhar atento dos pais e cuidadores no sentido de reconhecer os sinais de saciedade da criança, como virar o rosto, fechar a boca, empurrar a mamadeira ou o prato. Identificar os diferentes tipos de choro, como os associados a dor, desconforto, estresse ou fome, é outro cuidado necessário.

Publicidade

“Por vezes, os pais interpretam o choro do bebê como fome, oferecendo mamadeira como consolo, quando, na verdade, pode ser um sinal de dor ou desconforto. O alimento pode até acalmar, mas não por tratar a raiz do problema e, sim, por proporcionar conforto”, explica.

Pais e cuidadores precisam respeitar os sinais de saciedade da criança desde o início da introdução alimentar. Foto: inesbazdar/Adobe Stock

5- Incentive a prática de atividades físicas

Outro aspecto fundamental na prevenção da obesidade infantil é direcionar esforços para aumentar o gasto energético das crianças, promovendo, assim, uma composição corporal saudável ao longo da vida. “Hoje em dia, o enfoque vai além do simples peso na balança. Devemos buscar menos tecido adiposo e uma massa muscular adequada”, explica Dornelles.

Para os bebês, é importante estimular movimentos como rolar, engatinhar e andar. Já para os pré-escolares, atividades ao ar livre – como brincadeiras, passeios de bicicleta, jogos de bola e dança - são excelentes opções.

Quanto aos adolescentes, vale encorajar a escolha por um esporte ou a prática de exercícios físicos programados. “As escolas também desempenham um papel crucial nesse contexto, seja aumentando os intervalos para promover o movimento durante o dia ou oferecendo aulas de educação física de qualidade”, informa o endocrinologista.

6- Reduza o tempo de tela

Para promover rotinas saudáveis com práticas esportivas e alimentação equilibrada, os especialistas enfatizam a necessidade de reduzir o tempo dedicado às telas – aqui são considerados dispositivos eletrônicos como televisão, smartphones, tablets, videogames e computadores.

As principais recomendações da SBP nesse sentido são:

  • Até os 2 anos de idade, não expor os bebês às telas;
  • Entre 2 e 5 anos, limitar o tempo de telas a uma hora por dia, no máximo, e sempre com supervisão;
  • Entre 6 e 10 anos, limitar o tempo de telas a uma ou duas horas por dia, no máximo, e sempre com supervisão;
  • Entre 11 e 18 anos, limitar o tempo de telas e jogos de videogames a duas ou três horas por dia, sempre com supervisão; nunca deixar o adolescente “virar a noite” jogando.

Publicidade

“A relação com as telas foi muito potencializada pela pandemia de covid-19 e está totalmente relacionada ao sedentarismo”, disse Alves.

7- Cuide da rotina de sono

A prevenção da obesidade infantil também envolve uma rotina de sono saudável estabelecida de acordo com as recomendações para cada faixa etária. “Crianças que não dormem o suficiente podem ter dificuldades em várias áreas, inclusive no desenvolvimento de bons hábitos alimentares”, conta Alves.

De acordo com o presidente do Departamento de Endocrinologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), um sono inadequado afeta diretamente os níveis hormonais relacionados à regulação do apetite. “Quando privados de sono, os níveis de hormônios que estimulam o apetite aumentam, enquanto os hormônios que suprimem a fome diminuem, o que pode levar ao aumento de peso ao longo do tempo”, descreve.

8- Marque consultas periódicas

As consultas pediátricas são uma oportunidade para o pediatra aferir e monitorar o ganho de peso e altura e, assim, calcular o índice de massa corporal.

“Ao colocar essas informações no gráfico de crescimento, o pediatra pode identificar o padrão de crescimento, reconhecendo precocemente desvios a serem corrigidos” alerta Dornelles.

Essas consultas, segundo o endocrinologista, também são valiosas para a educação da família sobre hábitos de vida saudáveis, capazes de auxiliar na prevenção da obesidade infantil.

Combate à obesidade deve envolver toda a sociedade

Os especialistas frisam que a prevenção da obesidade na infância e adolescência requer uma abordagem que vai muito além das atitudes de pais e cuidadores. Ou seja, escolas, órgãos públicos – responsáveis pela formulação de políticas de saúde –, mídia e comunidade médica devem ser envolvidos.

Publicidade

Segundo Dornelles, uma estratégia em ascensão em todo o mundo para combater a obesidade infantil e promover uma alimentação mais saudável é a taxação de produtos ultraprocessados, como biscoitos, pratos congelados e refrigerantes.

De acordo com ele, estudos demonstraram que, ao sobretaxar produtos assim, a prevalência de diversos problemas de saúde na população pode ser reduzida. “Além disso, a implementação de subsídios (para produção e consumo) para alimentos saudáveis, como frutas, verduras e legumes, é uma medida que tem ganhado destaque e mostrado resultados positivos”.

Outra iniciativa importante, segundo o especialista, é a rotulagem clara e informativa na embalagem dos alimentos industrializados, permitindo que os consumidores façam escolhas mais conscientes.

No Brasil, novas regras para rotulagem entraram em vigor em outubro de 2023, tornando necessária a identificação de excesso de sal, gorduras saturadas e açúcares na parte frontal das embalagens. O médico aponta ainda que a proibição da propaganda e do marketing direcionados às crianças é outra medida essencial para proteger a alimentação infantil.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.