Intestino tem conexão profunda com doenças do cérebro, como Alzheimer e Parkinson; entenda

Uma pesquisa brasileira indica que evitar desequilíbrios na microbiota pode ajudar a prevenir e controlar distúrbios neurológicos; saiba como manter a região intestinal saudável

PUBLICIDADE

Por Thais Szegö
Atualização:

AGÊNCIA EINSTEIN – Uma revisão de estudos científicos realizada por uma equipe das áreas de neurologia, medicina do sono e nutrição da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) investigou a relação entre o desequilíbrio da microbiota intestinal (chamada de disbiose) e as doenças psiquiátricas e neurológicas.

Segundo Maria Fernanda Naufel, uma das autoras e pós-doutoranda em nutrição, os pesquisadores concluíram que “há uma relação estreita e bidirecional entre a microbiota intestinal e o cérebro” e que o desequilíbrio desses micro-organismos tem uma ação importante no desenvolvimento, na função e nos distúrbios do sistema nervoso central (SNC).

Conexão íntima entre microbiota e cérebro pode interferir na prevenção e no controle de distúrbios psiquiátricos e neurológicos, como depressão, ansiedade, Alzheimer e Parkinson. Foto: metamorworks/Adobe Stock

PUBLICIDADE

A microbiota intestinal é um ecossistema complexo, formado por trilhões de bactérias. Ela é influenciada por diversos fatores, como dieta, metabolismo, idade, estresse, temperatura, sono e uso de medicamentos, entre outros. De acordo com Naufel, embora ainda sejam necessários mais estudos sobre o tema, o trabalho demonstrou que é essencial evitar o desequilíbrio da microbiota intestinal, especialmente durante a gravidez e a primeira infância, para prevenir distúrbios neurológicos.

“Além disso, o uso de probióticos por pacientes com doenças psiquiátricas e neurológicas é seguro na maioria dos casos e pode tratar a disbiose e os desconfortos gastrointestinais, diminuir os sintomas de depressão e ansiedade e aliviar os sintomas e a gravidade de diversos distúrbios neurológicos, como Alzheimer, Parkinson e esclerose múltipla”, afirma a pesquisadora.

Naufel explica que a prevenção e o tratamento do desequilíbrio da flora intestinal podem auxiliar de diversas formas no controle de doenças psiquiátricas e neurológicas. Se houver uma inflamação na microbiota intestinal, por exemplo, é possível que o quadro influencie negativamente o sistema nervoso central.

Além disso, como o intestino é responsável pela produção de muitos neurotransmissores, a disbiose pode prejudicar a produção dessas substâncias, gerando alterações em todo o corpo, principalmente no cérebro.

Outro fator destacado no trabalho é que os estudos têm observado que as crianças com disbiose tendem a ter maiores riscos de apresentar distúrbios neurológicos na vida adulta. Por isso, o ideal é prevenir o desequilíbrio desde a primeira infância, fase em que a microbiota será formada, saudável ou não. Segundo o psiquiatra Daniel Oliva, do Hospital Israelita Albert Einstein, trata-se de uma linha de estudo muito interessante e promissora.

Publicidade

“Já existem evidências de que essas bactérias podem influenciar o organismo como um todo e dados que relacionam populações específicas de bactérias com alguns distúrbios e doenças”, diz Oliva. Ele destaca ainda que já se sabe que algumas substâncias liberadas por esses microrganismos conseguem modular o sistema imune, influenciando o funcionamento do sistema nervoso central e do cérebro, o que pode implicar em mudanças de humor e em quadros psiquiátricos e neurológicos.

“Entretanto, essas pesquisas enfrentam algumas dificuldades, pois se trata de uma relação muito complexa, já que são trilhões de microrganismos interagindo com o corpo. Por isso, ainda não temos como determinar exatamente como as alterações na microbiota intestinal influenciam as mudanças neurológicas, ou ao contrário”, complementa ele.

Cuidados importantes para manter a microbiota intestinal saudável

  • Se possível, dar preferência ao parto vaginal;
  • Estimular o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses de idade. Após a introdução alimentar, é interessante seguir amamentando até os 2 anos;
  • Controlar o uso de antibióticos, principalmente na gravidez e nos primeiros anos de vida;
  • Ter uma alimentação saudável, especialmente na primeira infância, evitando alimentos ultraprocessados, açúcar e gordura saturada;
  • Comer fibras;
  • Ingerir probióticos naturais, como kefir, natto, chucrute e leites fermentados;
  • Não fumar;
  • Evitar bebidas alcoólicas;
  • Praticar atividades físicas.
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.