PUBLICIDADE

Saúde inicia distribuição da vacina da dengue; crianças de 10 a 11 anos serão primeiras imunizadas

Qdenga estará disponível, inicialmente, em 315 municípios; as demais cidades receberão a vacina até a segunda semana de março

Foto do author Leon Ferrari
Por Leon Ferrari
Atualização:

O Ministério da Saúde recebeu os primeiros lotes nesta semana e iniciou a distribuição da vacina contra a dengue na quinta-feira, 8. As primeiras 712 mil doses serão direcionadas ao grupo de crianças de 10 a 11 anos que vivem em 315 municípios (60% dos selecionados para receber o imunizante em 2024).

PUBLICIDADE

Goiás e o Distrito Federal já estão em posse de suas doses. A capital federal já iniciou a vacinação nesta sexta, 9. Bahia, Acre, Paraíba, Rio Grande do Norte, Mato Grosso do Sul, Amazonas, São Paulo e Maranhão receberão a vacina nos próximos dias.

O objetivo do ministério é vacinar as crianças de 10 a 14 ainda de 521 municípios ainda neste ano. De acordo com a nota técnica da pasta sobre o início da vacinação, todas as cidades devem receber doses suficientes para vacinar os pequenos de 10 a 11 anos até a segunda semana de março.

Crianças são vacinadas em posto de saúde no Distrito Federal Foto: Wilton Junior/Estadão

“Começamos com esse grupo de idade, porque dentro da faixa de 10 a 14 anos é aquele no qual se viu maior presença de hospitalizações, e também é uma forma de atender a mais municípios”, disse Nísia Trindade, ministra da Saúde, após acompanhar o início da vacinação no DF. “Estou aqui porque é um momento histórico. Há 40 anos se espera por uma vacina para dengue”, comemorou.

A ampliação das faixas etárias vai depender da efetivação do cronograma de entregas combinado com a empresa Takeda, responsável pela Qdenga, de acordo com Ethel Maciel, secretária de Vigilância em Saúde e Ambiente do Ministério da Saúde. Conforme mostrou o Estadão, a farmacêutica japonesa comunicou que vai priorizar a distribuição de doses para o Sistema Público de Saúde (SUS) por meio do Programa Nacional de Imunizações (PNI).

A estimativa da pasta é vacinar 3,2 milhões com as 6,5 milhões de doses contratadas para 2024. O esquema vacinal será composto por duas doses, com intervalo de três meses entre elas.

Cenário

O anúncio do início da distribuição da vacina ocorre em meio ao que a pasta classificou como uma “antecipação de casos” da dengue no País. “Em geral, o crescimento de casos acontecia no final de março, abril. Começamos a ver o crescimento dos casos já em janeiro”, afirmou Ethel, em entrevista coletiva na manhã desta sexta.

Publicidade

De acordo com o painel de arboviroses do Ministério da Saúde, o Brasil já acumula mais de 395 mil casos prováveis da doença e 53 mortes. A estimativa da pasta é de que o País ultrapasse os 4 milhões de casos neste ano, algo nunca antes visto, por isso, há uma grande preocupação com a pressão no sistema de saúde.

A secretária listou alguns fatores que podem estar causando essa antecipação. O primeiro deles, diz, é a circulação dos quatro sorotipos da doença ao mesmo tempo. “Alguns deles não circulavam no Brasil há 15 anos.” Muitas pessoas, principalmente crianças e adolescentes, diz Ethel, não passaram por uma infecção por esse tipo do vírus, o que as torna mais suscetíveis a ele.

Por outro lado, a pasta também se preocupa com um “comportamento diferente” do mosquito Aedes Aegypti, vetor da dengue. “Tínhamos um mosquito que picava mais no final da tarde e no começo da manhã. Agora, vemos ele (picando) durante todo o dia”, afirmou Ethel. As altas temperaturas, embaladas pelo El Niño, também favorecem a reprodução do inseto.

Atenção aos sinais de alerta

Desde o final do ano, de acordo com o Ethel, a pasta está em contato com Estados e municípios alertando sobre a previsão de explosão de casos em 2024, reforçando as medidas de manejo desses pacientes e sobre a necessidade de iniciar antecipadamente medidas de controle do vetor; e fez um aporte de R$ 256 milhões para que colocassem essas ações em prática.

“Nós podemos ter dengue, mas precisamos evitar os casos graves que vão levar as pessoas ao óbito”, falou Ethel. “O tratamento para isso é simples, é hidratação.”

Conforme mostrou o Estadão, a dengue é considerada uma doença bifásica. Quando a febre alta, da fase inicial, começa a ceder é quando, tradicionalmente, os sinais de alarme têm início. O adequado é buscar atendimento de profissional de saúde logo nos primeiros sintomas, para que outras doenças sejam descartadas, e o paciente receba orientações sobre a hidratação e também sobre quando deve retornar à unidade de saúde.

“Qualquer sintoma que impeça a pessoa de estar hidratada é um sinal importante de que a pessoa precisa procurar um serviço de saúde”, disse.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.