PUBLICIDADE

Por que o oceano está cada vez mais quente? É mais do que a mudança climática

Temperatura média global da superfície do mar atingiu recorde mensal de 21,07ºC, de acordo com o Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus

Por Delger Erdenesanaa
Atualização:

O oceano tem batido recordes de temperatura todos os dias por mais de um ano. E até agora, 2024 continuou a tendência de 2023 de superar os recordes anteriores por amplas margens. De fato, todo o planeta tem estado quente por meses, de acordo com muitos conjuntos de dados diferentes.

“Não há ambiguidade sobre os dados”, disse Gavin Schmidt, climatologista e diretor do Instituto Goddard de Estudos Espaciais da agência espacial americana, a Nasa.

Compreender quais processos físicos específicos estão por trás desses recordes de temperatura ajudará os cientistas a aperfeiçoar seus modelos climáticos e prever melhor as temperaturas no futuro.

Oceano Atlântico, onde se encontra o Atol das Rocas (foto) está anormalmente quente, o que pode levar a produção mais constante de furacões.  Foto: Jonne Roriz/Estadão (Arquivo 2012)

PUBLICIDADE

No último mês, a temperatura média global da superfície do mar atingiu novo recorde mensal de 21,07 ºC, conforme o Serviço de Mudanças Climáticas Copernicus, instituição de pesquisa financiada pela União Europeia.

“Março de 2024 continua a sequência de recordes climáticos sendo superados tanto para a temperatura do ar quanto para as temperaturas da superfície do oceano”, disse Samantha Burgess, diretora adjunta do Copernicus, em declaração esta semana.

O Atlântico tropical está anormalmente quente, ajudando a preparar o cenário para uma temporada de furacões movimentada, preveem cientistas da Universidade do Estado do Colorado (EUA). Temperaturas oceânicas mais altas fornecem mais energia para alimentar tempestades mais fortes.

As temperaturas globais estão aumentando a longo prazo porque a queima de combustíveis fósseis adiciona gases de efeito estufa, que aquecem o planeta, à atmosfera. Até agora, as mudanças climáticas elevaram a temperatura média global em cerca de 1,2ºC acima da média pré-industrial. E como leva mais energia para aquecer a água do que o ar, os oceanos absorveram a grande maioria do aquecimento do planeta proveniente dos gases estufa.

Publicidade

Mas os registros estabelecidos ao longo do último ano estão além do que os cientistas esperariam ver, mesmo considerando a crise climática, disse Schmidt.

O que é diferente agora, comparado a esta época do ano passado, é que o planeta lida com os efeitos de um evento El Niño que começou em julho. Esse fenômeno é um padrão climático natural associado a temperaturas elevadas.

“As temperaturas que estamos vendo agora, os recordes sendo quebrados em fevereiro e março, estão na verdade muito mais alinhados com o que esperaríamos”, comparado com as do ano passado, disse Schmidt. “Vamos ver o que acontece até o verão.”

O El Niño está enfraquecendo e espera-se que dissipe em breve. O que acontecer com as temperaturas médias globais depois disso ajudaria a esclarecer as temperaturas de 2023, disse ele.

PUBLICIDADE

Além das mudanças climáticas e do El Niño, há outros fatores que podem estar contribuindo para os recordes vertiginosos.

Um deles é uma recente redução na poluição por aerossóis de navios contêineres que cruzam o oceano, seguindo novos padrões internacionais de combustível que entraram em vigor em 2020. Os aerossóis na verdade têm efeito de resfriamento na atmosfera e ajudavam a mascarar a verdadeira extensão das mudanças climáticas até agora.

Houve também a enorme erupção do vulcão submarino Hunga Tonga-Hunga Ha’apai em 2022. Erupções vulcânicas que ocorrem em terra lançam plumas de fuligem e aerossóis, que bloqueiam a luz solar e esfriam temporariamente a atmosfera.

Publicidade

Mas como este vulcão estava submerso no Oceano Pacífico, sua erupção também pulverizou milhões de toneladas de vapor de água na atmosfera superior. O vapor de água é um poderoso gás estufa.

Além das mudanças climáticas e do efeito do El Niño, vulcão em erupção e diminuição dos aerossóis estão contribuindo para o aumento da temperatura dos oceanos. Foto: Jonne Roriz/Estadão

“Foi a erupção mais explosiva desde o Krakatoa, e geralmente o ano seguinte é quando você vê os impactos”, disse Sean Birkel, professor assistente no Instituto de Mudança Climática da Universidade do Maine (EUA), que criou uma ferramenta de visualização de dados climáticos chamada Climate Reanalyzer.

Ele suspeita que o efeito de aquecimento da erupção vulcânica tenha sido maior do que as estimativas iniciais sugeriram, observando que a erupção pode ter afetado a circulação atmosférica e ajudado a amplificar o El Niño que se desenvolveu em 2023. Mas, acrescentou, pesquisas adicionais são necessárias.

Schmidt apontou que, quando os cientistas juntam suas estimativas até agora de quanto a erupção vulcânica, a redução da poluição por navios, o El Niño e as mudanças climáticas deveriam aquecer o planeta, os números não somam.

“Pode haver ainda algo faltando”, disse ele, como outras fontes de poluição por aerossóis tendo melhorado mais do que os pesquisadores sabem, ou o clima da Terra tendo mais variabilidade interna do que o esperado. Ou ainda amplificando os efeitos do El Niño.

Vários grupos de cientistas estão trabalhando para obter uma imagem mais clara, disse Schmidt, e ele espera que os resultados comecem a ser publicados nos próximos meses./Este artigo foi originalmente publicado no The New York Times.

*Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Publicidade

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.