Espaçonave Odysseus tombou durante pouso na Lua, mas ainda está funcionando, dizem fabricantes

Um dia após seu pouso histórico, a primeira espaçonave privada na Lua está em boas condições e com a comunicação mantida

PUBLICIDADE

Por Kenneth Chang
Atualização:

THE NEW YORK TIMES – A espaçonave Odysseus pousou com sucesso na região do polo sul da lua na quinta-feira à noite, 22, tornando-se o primeiro veículo norte americano a pousar suavemente na Lua desde o Apollo 17, em 1972.

PUBLICIDADE

Apesar do sucesso, o pouso não foi perfeito, já que a espaçonave tombou e suas antenas não estão apontadas diretamente para a Terra, limitando a quantidade de informações que podem ir e voltar.

Em coletiva de imprensa juntamente com a NASA, o CEO da Intuitive Machines, Steve Altemus, confirmou que a comunicação com o módulo não foi perdida apesar do pouso não ideal. “O veículo está estável perto ou em nosso local de pouso pretendido. Isso é fenomenal para começar.”

Odysseus não enviou fotografias desde o pouso até agora, embora Altemus tenha mostrado uma que foi tirada enquanto a espaçonave descia para a superfície. “Você vê como é sombreado e ondulado o terreno”, disse ele. Engenheiros da Intuitive Machines ainda estão tentando extrair mais informações da espaçonave.

Primeira imagem enviada pelo módulo Odysseus antes do pouso mostra detalhes da superfície lunar. Foto: Intuitive Machines

Altemus e Tim Crain, diretor de tecnologia, também descreveram problemas imprevistos que quase condenaram a missão. O pouso foi salvo por “uma mistura de acaso, sorte e trabalho frenético”, disseram eles.

Quando Odysseus chegou à lua na quarta-feira, deveria entrar em órbita circular cerca de 62 milhas, aproximadamente 99,78 quilômetros, acima da superfície lunar. Por conta de imprecisões em sua trajetória, a espaçonave acabou em uma órbita elíptica. A equipe optou por queimar um dos motores adicionais do módulo para corrigir o problema e colocou Odysseus em uma órbita melhor.

Para verificar o quão perto a espaçonave estava da superfície da lua, os controladores de voo ligaram os localizadores de alcance a laser, instrumentos que poderiam medir a altitude da espaçonave durante o pouso disparando pulsos de laser na superfície da lua.

Publicidade

Porém, quando os controladores verificaram os dados na manhã seguinte - apenas horas antes do pouso planejado na quinta-feira - descobriram que um laser não havia disparado. Foi então descoberto que os interruptores de segurança dos dois lasers localizadores de alcance ainda estavam ativados quando Odysseus foi para o espaço. Não havia como acionar os interruptores - eles não podiam ser ignorados por software - agora que a espaçonave estava a mais de 200.000 milhas de distância.

“Tim estava no console como diretor de missão, e eu disse, ‘Vamos ter que pousar sem localizadores de alcance a laser. Ele ficou absolutamente branco, porque foi como um soco no estômago, que iríamos perder a missão. Eu posso rir disso agora”, disse Altemus na coletiva de imprensa.

Eles estavam pensando em possíveis soluções alternativas quando Crain percebeu que Odysseus na verdade tinha um backup útil a bordo.

A nave levou nessa missão um instrumento experimental chamado Navigation Doppler Lidar, que a NASA queria testar - essencialmente um instrumento mais sofisticado com três feixes de laser que medem não apenas a altitude, mas a velocidade da espaçonave durante sua descida e poderia fornecer as leituras ausentes.

CONTiNUA APÓS PUBLICIDADE

Tudo o que os engenheiros tinham que fazer era alterar o software da espaçonave para que o instrumento da NASA fornecesse suas leituras ao computador de orientação, navegação e controle. ”Parece fácil em retrospecto. No desenvolvimento normal de software para uma espaçonave, isso seria algo que levaria um mês. Nossa equipe basicamente fez isso em uma hora e meia”, disse Crain.

O fato de Odysseus ter chegado à lua na órbita errada acabou sendo uma sorte. Sem a necessidade de verificar a órbita, o altímetro a laser não teria sido ligado até uma hora antes do pouso. Nesse ponto, seria tarde demais para encontrar uma solução para os localizadores de alcance travados, e Odysseus quase certamente teria caído.

“Nós provavelmente estaríamos cinco minutos antes do pouso antes de perceber que esses lasers não estavam funcionando, se não tivéssemos tido esse evento fortuito”, disse Crain. “Então, acaso é absolutamente a palavra certa.”

Publicidade

Ainda havia mais um problema. A instalação das alterações de software em Odysseus exigia reiniciar o computador a bordo. Uma tentativa de fazer isso em uma simulação de teste sofisticada indicou que a espaçonave se desviaria da rota. Então, os controladores tiveram que descobrir uma maneira de reiniciar o computador sem condenar a espaçonave.

O erro de trajetória e a órbita extra acrescentaram duas horas para eles terminarem e o software de navegação improvisado funcionou.

Apesar de tudo, algo não funcionou exatamente como o esperado quando a espaçonave pousou. A nave estava descendo mais rápido do que o esperado e ainda se movendo lateralmente, quando o movimento deveria ser perfeitamente vertical.

Uma das seis pernas de pouso pode ter enganchado na superfície, derrubando a espaçonave. “Nós poderíamos ter fraturado esse trem de pouso e virado gentilmente”, disse Altemus. Uma espaçonave japonesa também tombou ao pousar na Lua em janeiro. Essa espaçonave, conhecida como Smart Lander for Investigating Moon, ou SLIM, também continuava funcionando após sua queda.

Os engenheiros da Intuitive Machines ainda estão trabalhando para acelerar a comunicação com o Odysseus e determinar quais tarefas científicas ainda podem ser realizadas. Isso inclui um pequeno sistema de câmera construído por estudantes da Embry-Riddle Aeronautical University em Daytona Beach, Flórida, que deveria ser ejetado quando o Odysseus estivesse a cerca de 30 metros do solo e capturar imagens do pouso.

Não houve tempo suficiente para incluir a implantação da câmera no software de pouso corrigido, então ela permaneceu acoplada ao Odysseus. Mas Altemus disse que o Odysseus ainda pode ser capaz de ejetar a câmera, que então poderia tirar algumas fotografias da área.

A missão Odysseus provavelmente terminará até o próximo fim de semana. “Sabemos que neste local de pouso o sol se moverá além de nossos painéis solares, em qualquer configuração, em aproximadamente nove dias”, disse Crain.

Publicidade

A espaçonave não foi projetada para sobreviver às temperaturas frígidas da noite lunar de duas semanas, embora talvez o Odysseus possa reviver quando o sol nascer novamente. “Vamos apenas ver se nossa eletrônica sobreviveu”, disse Crain. “Vamos dar uma olhada. Vamos escutar.”

*Este artigo foi originalmente publicado no The New York Times.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.