PUBLICIDADE

Clássico de antropólogo britânico analisa arte produzida na África

'Arte Africana', de Frank Willett, foi publicado originalmente na Inglaterra em 1971

Foto do author Antonio Gonçalves Filho
Por Antonio Gonçalves Filho
Atualização:

Publicado lá fora pela primeira vez em 1971, Arte Africana, do antropólogo britânico Frank Willett (1925-2006), chega finalmente à livrarias brasileiras graças a uma parceria entre Edições Sesc e Imprensa Oficial. É uma grande introdução à arte do continente, apoiada na última revisão do autor. São inúmeras as virtudes desse “catecismo da escultura africana”, como definiu o livro o diplomata e historiador Alberto da Costa e Silva, mas a principal delas é o texto – simples, direto, destinado ao leitor não especializado. Em outras palavras: diferente de obras similares como as de Michel Leiris, dirigidas a iniciados.

Máscara figura em livro sobre arte africana Foto: Edições Sesc

O mérito de Willett é não sucumbir ao etnocentrismo que caracteriza parte da produção ensaística sobre o tema. Fala-se, claro, da influência da escultura africana na arte moderna europeia (Picasso e companhia), mas o que interessa é investigar como as migrações na África ajudaram a construir as feições da arte africana. Willett concorda com outros estudiosos que a maior contribuição que a África fez ao patrimônio cultural da humanidade foi sua escultura. Mas não só ela.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.