PUBLICIDADE

EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Cultura, comportamento, noite e gente em São Paulo

Carinho de brasileiros por Chaves impressiona filho de Roberto Bolaños; leia a entrevista

Filho do criador e protagonista do seriado veio ao Brasil e visitou ‘Chaves: A Exposição’, que foi prorrogada até 2 de junho

Foto do author Marcela Paes
Por Marcela Paes
Atualização:

Um dos personagens mais queridos da TV no Brasil, Chaves já levou mais de 200 mil pessoas para Chaves, A Exposição, em cartaz no MIS Experience. A popularidade do seriado mexicano é tanta no País, que impressiona até o filho de Roberto Bolaños - criador e protagonista de Chaves.

Roberto Gómez Fernández, filho de Roberto Bolaños, criador e protagonista de Chaves Foto: Felipe Piacente de Oliveira/MIS

PUBLICIDADE

“Acho que o nível de fanatismo no Brasil supera o do México. E deve-se notar que isso acontece sem realmente ouvir os atores na sua língua original”, diz Roberto Gómez Fernández, que veio a São Paulo ver a mostra - prorrogada até 5 de junho. Leia abaixo a entrevista com Fernández:

A que você atribui o sucesso de Chaves no Brasil?

Em princípio, pelas mesmas razões do seu sucesso em toda a América Latina. É uma ótima comédia que conecta em um nível emocional. O público não só gosta dele, mas também tem muito carinho por ele. No Brasil, especificamente, encontramos uma grande semelhança com a idiossincrasia do povo mexicano. No bairro Chavo se refletem muitas circunstâncias e personagens que se enquadram perfeitamente nos dois países.

Seu pai sabia o quanto era querido no Brasil?

Publicidade

Ele sabia disso, mas teve poucas oportunidades de sentir isso de perto. Acho que se ele estivesse vivo agora, com o nível de comunicação que existe, ficaria surpreso com o nível de significância que o seu trabalho tem.

Nota uma diferença entre os fãs do Brasil e do México?

Sim. Nos dois países é muito forte, mas as grandes manifestações de carinho que são sentidas no Brasil não são vistas com tanta frequência no México. Acho que o nível de fanatismo no Brasil supera o do México. E deve-se notar que isso acontece sem realmente ouvir os atores na sua língua original.

Qual foi a sua reação quando viu a exposição?

Uma emoção enorme. A forma como a exposição está montada é simplesmente sensacional. É uma jornada maravilhosa pela vida e obra de meu pai. É uma rota que tem recebido importância mundial. E o meticuloso processo de pesquisa, além do talento e criatividade na montagem deram um resultado incomparável.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.