EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Cultura, comportamento, noite e gente em São Paulo

Silvero Pereira encarna o Maníaco do Parque em gravações em SP; veja a primeira foto

Os criadores falam sobre a realização do longa de ficção para a plataforma Prime Video

PUBLICIDADE

Foto do author Paula Bonelli
Por Paula Bonelli
Atualização:

Começaram as gravações do filme Maníaco do Parque em São Paulo com Silvero Pereira na pele do serial killer. A coluna antecipa a primeira imagem do ator retratando a perturbadora história do motoboy Francisco de Assis Pereira. O diretor do longa Maurício Eça destaca o desempenho do protagonista no set: “Silvero é de uma entrega absurda. Ele entra de uma forma tão intensa no personagem que todo dia nos surpreende. O seu talento, a sua caracterização e como entende todas as camadas do personagem são impressionantes”. As filmagens estão ocorrendo em diferentes locações na capital paulista e devem se estender até o final de outubro.

A primeira imagem de Silvero Pereira como Maníaco do Parque no momento emblemático da sua prisão  Foto: Divulgação/Prime Video


PUBLICIDADE

Nas horas vagas, o maníaco costumava patinar por São Paulo e assassinar suas vítimas, mostra o filme. Francisco foi condenado por atacar 21 mulheres, matando dez delas e ocultando seus corpos na mata do Parque do Estado, no bairro Ipiranga, no final dos anos 90.

Eça conta ainda que, durante a fase de produção, foi realizada uma ampla pesquisa sobre o caso. “Tivemos acesso a todo o processo do crime e entrevistamos vários sobreviventes, familiares das vítimas, psicólogos, imprensa e pessoas ligadas ao caso. Foi um processo rico de desenvolvimento do roteiro de mais de um ano, onde mergulhamos nas nuances dessa história.”

Apesar de todo o trabalho, os criadores do filme para a plataforma Prime Video não tiveram contato com Francisco, que está preso em uma penitenciária no interior de São Paulo. Com uma abordagem intensa e impactante, o documentário promete trazer à tona a história marcante e refletir sobre questões sociais relevantes.

Com previsão de estreia para 2024, Marcelo Braga, produtor do filme, afirma que, mesmo 25 anos após a prisão do Maníaco do Parque, os temas abordados no documentário são atuais: “Infelizmente, ainda há números alarmantes de feminicídios no Brasil”, afirma, completando que “essa história se torna importante para o entendimento de questões sérias da mente humana”.

Publicidade

A história é ambientada em 1998, em São Paulo, durante a Copa do Mundo da França. O rapper Xamã vive Nivaldo, o chefe de Francisco. Giovanna Grigio faz Elena uma jornalista iniciante que enxerga nos crimes do serial killer a oportunidade de impulsionar sua carreira. No entanto, à medida que o caso ganha notoriedade, ela percebe que está na mira do assassino. Mel Lisboa será Martha, a psiquiatra que busca compreender a mente de um psicopata. E Bruno Garcia é Zico, um jornalista galanteador e sem escrúpulos.

A produção do filme de ficção foi anunciada juntamente com o documentário O Maníaco do Parque: A História não Contada, que revisita o caso do assassino sob outra perspectiva, a partir de relatos de quatro vítimas sobreviventes.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.