PUBLICIDADE

Foto do(a) blog

Cinema, cultura & afins

Opinião|Brasília 2023 (1): Noite de abertura, com homenagem a Antonio Pitanga e filme antimanicomial

Foto do author Luiz Zanin Oricchio
Atualização:
 

BRASÍLIA - A maior emoção da noite de abertura do 56º Festival de Brasília foi a homenagem ao ator Antonio Pitanga. Impecável em seu terno de linho branco e chapéu panamá, Pitanga recebeu o troféu das mãos do filho, o também ator Rocco Pitanga. E um texto de homenagem lido com emoção pela atriz Elisa Lucinda. Noite de muita classe para um ator que atravessou e deixou sua marca em diversas fases do cinema brasileiro - do cinema novo à produção contemporânea. Pitanga, aos 84 anos, agora dirige um filme sobre a Revolta dos Malês. 

PUBLICIDADE

Mas houve muito mais - a medalha Paulo Emílio entregue à professora Dácia Ibiapina, e também vaias a um gestor de um dos grupos que viabilizaram o festival este ano. Não se trata de ingratidão, mas o rapaz veio com um discurso de auto-ajuda, empreendedorismo e meritocracia que não pega bem com a tradicionalmente engajada plateia do festival. Muita gente de universidade, em geral mais alinhada com pautas da esquerda. Daí os aplausos à secretária do Audiovisual, Joelma Gonzaga, que enfatizou a necessidade de temas caros ao setor, como a definição da cota de tela, ainda emperrada. 

Nesse clima, entre vaias e aplausos, foi apresentado o filme de abertura desta edição, o fora de concurso Ninguém Sai Vivo Daqui, de André Ristum. Adaptado do livro-reportagem de Daniela Arbex, Holocausto Brasileiro, que conta casos do tenebroso hospital psiquiátrico de Barbacena. O local é um ícone dos abusos autoritários da psiquiatria tradicional, denunciados por Michel Foucault em História da Loucura, e vários outros autores. Helvécio Ratton fez um documentário, Em Nome da Razão, sobre o assunto e sobre o estabelecimento mineiro. A tradição do tema firmou-se no cinema em obras como aquela que talvez seja seu paradigma - O Estranho no Ninho, de Milos Forman. 

Ristum toma alguns casos descritos por Daniela Arbex em seu livro e lhes dá tratamento ficcional. Em especial, a história da protagonista, uma mocinha que engravida do namorado e recusa um casamento de conveniência arranjado pelo pai autoritário para encobrir o caso. Em represália pela desobediência, o fazendeiro manda a filha à Colônia. Arranja um diagnóstico médico de esquizofrenia e a moça é enfiada num trem, junto com um amontado de pessoas classificadas como "loucas". Sabe-se há muito tempo que instituições desse tipo servem como punição a rebeldes e indesejáveis de todos os tipos, que para lá são remetidos por seus maridos, filhos e amantes. "Para o próprio bem da pessoa", justificam. 

Esse "trem dos loucos" também fazia parte da mitologia mineira em torno do tema da desrazão. Está em um dos mais geniais contos de Guimarães Rosa, Sorôco, sua mãe, sua filha, com o personagem-título conduzindo mãe e filha ao trem fantasma cujo destino final era a colônia para "alienados". 

Publicidade

No filme, quando a moça é jogada no vagão em uma estação em Jardinópolis, no interior paulista, aparece a data da ação ficcional: 1971. É o primeiro espanto. Será que esse tipo de coisa ainda existia no Brasil na década de 1970, num país governado por uma ditadura militar cuja palavra de ordem era a modernização? Sim, existia, não há por que duvidar. 

A filmagem é toda em preto e branco, opção considerada ideal pelo diretor para o tratamento de tema tão pesado. Elisa (Fernanda Marques) sofre o diabo naquela masmorra, mas encontra aliados e aliadas. Há o inevitável vilão, o enfermeiro vivido por Augusto Madeira, que pretende abusar da moça. Mas há também a paciente senhora interpretada por Rejane Farias (de Marte Um), internada há muito tempo e vivendo à espera de um filho. Andréia Horta (de Eliz) faz o papel da amante de um político local que promete a cada visita tirá-la dali. Bukassa Kabengele interpreta outro interno rebelde. 

O filme dialoga com o melodrama, e mesmo com o folhetim em uma situação de fuga. Ignora a verossimilhança em várias passagens e, vez por outra, abusa da trilha sonora para produzir um clima de terror. Foi aplaudido, com parcimônia, por um público já um tanto esgotado pela longa duração da cerimônia de abertura. 

Hoje começa a mostra competitiva, quer dizer, tem início o festival, para valer. Não poderia haver filme melhor para incendiar a galera que No Céu da Pátria nesse Instante, de Sandra Kogut, sobre a tentativa de golpe de 8 de janeiro. Será acompanhado pelos curtas Cidade by Motoboy e Pastrana. A noite promete.

 

Publicidade

Opinião por Luiz Zanin Oricchio

É jornalista, psicanalista e crítico de cinema

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.