PUBLICIDADE

Gal Costa: entenda o que dizem filho e viúva sobre o dia da morte e herança da cantora

Gabriel Costa e Wilma Petrillo deram entrevista ao ‘Fantástico’ a respeito da disputa pela herança da cantora

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

Gabriel Costa, filho de Gal Costa, e Wilma Petrillo, ex-empresária e viúva da cantora, deram entrevistas ao Fantástico que foi ao ar neste domingo, 31, na Globo. Recentemente, ele contestou o direito de herança à ex-empresária de sua mãe, e chegou a pedir a exumação de seu corpo.

Em determinado momento, a repórter Renata Ceribelli pergunta a Gabriel: “Você tem alguma desconfiança em relação à Wilma?”. O jovem é enfático: “Nenhuma. Não imagino que ela possa ter feito alguma coisa em relação à minha mãe. Não acho que ela chegaria a esse ponto”.

Gal Costa em foto de novembro de 1983 Foto: Domício Pinheiro/Estadão

A morte de Gal Costa

PUBLICIDADE

Sobre o dia da morte de Gal Costa, Gabriel relata: “Fiquei com a minha mãe na sala, assistindo TV um pouco com ela. Ela estava bem, tranquila. Só que pediu para a gente subir. E nós três subimos. Eu, Wilma e minha mãe. A Wilma e eu fizemos um chá pra ela”.

Em seguida, o filho da cantora continuou: “Fui no quarto da minha mãe dar boa noite pra ela. Só que nisso a Wilma falou que ela não tava bem, estava com calafrios, tinha vomitado, e que já tinha dado remédio para ela. Eu fiquei um pouco lá com ela e fui dormir.”

“Umas 4h30, 5h da manhã, fui acordado pela Wilma. Ela me chamando no quarto para ajudá-la a botar minha mãe na cama. Ela estava entre a cabeceira e a cama. Eu achei realmente que ela estava dormindo, que acabou caindo enquanto dormia. Só que aí fui chamá-la, chamei, chamei, chamei... Quando vi que minha mãe não estava respondendo comecei a ficar um pouco mais desesperado.”

Wilma Petrillo e Gabriel Gosta falaram sobre Gal Costa em entrevista ao 'Fantástico' Foto: Reprodução de 'Fantástico' (2024)/TV Globo

“Ela estava começando a ficar fria, pálida, a boca dela estava roxa. Liguei para o SAMU. Me atenderam e falaram: ‘faz uns processos, massagem cardíaca’ até eles chegarem e nada. Só que aí a Wilma falou: ‘Tá demorando muito. Chama o [Albert] Einstein, chama o Sírio[-Libanês, dois hospitais de São Paulo]. Liguei para os dois”, continuou Gabriel Costa.

“Eles começaram a conversar entre médicos, eu comecei a chorar muito. Eu ouvi que deu óbito e dei uma saída, porque precisava respirar. Não sei o que aconteceu, mas minha mãe ficou lá, na cama dela, morta, até o dia de ser levada para o sepultamento”.

Publicidade

Já Wilma Petrillo, viúva de Gal Costa, relatou: “Cheguei lá no quarto, ela olhou para mim com os olhos tristes. Estava meio ofegante, sabe? Eu disse: ‘Você tá bem?’. Ela disse que estava com muito frio. Aí eu pus aquele cobertor térmico. Ela ficou quietinha, encolhida.”

“Ela acordou, eu disse: ‘Você tá melhor’? ‘Tô’. Aí ela deitou a cabeça no meu ombro e disse: ‘Então vai ser assim’. Você vai ficar comigo até... até... Eu já não sei mais viver sem você. Como ela disse que estava enjoada, quando ela virou na cama, achei que ela fosse vomitar. Chamei o Gabriel para virá-la. Pus a mão aqui, ela não respondia, não tinha pulso”, continuou a empresária.

Wilma Petrillo, ex-empresária que alega ser viúva de Gal Costa, em entrevista ao 'Fantástico' Foto: Reprodução de 'Fantástico' (2024)/TV Globo

Corpo de Gal Costa não passou por autópsia

Sobre a não realização de uma autopsia, Wilma explicou: “A médica disse: ‘Vocês querem fazer uma autópsia?’. Aí eu lembrei que a gente tinha visto na televisão um programa sobre necropsia, autopsia, e Gal disse: ‘Deus me livre se um dia eu tiver que ir embora e tiverem que fazer isso comigo’. Porque era uma coisa bastante agressiva. E falei: ‘Não quero autópsia’”.

O filho da cantora destacou incômodo com a decisão: “Não teve autópsia, então não tinha como saberem se foi algo mais profundo, algo a mais que a parada cardíaca. [Isso me levou a pedir a exumação] porque eu queria ter certeza se foi realmente isso”.

Gabriel Costa, filho de Gal Costa, em entrevista ao 'Fantástico' Foto: Reprodução de 'Fantástico' (2024)/TV Globo

Onde Gal Costa está enterrada

PUBLICIDADE

Sobre o local de enterro de Gal Costa - outro ponto que levantou polêmicas - Wilma Petrillo afirmou: “Como ela tinha cidadania paulistana, mas não só por isso, porque ela gostava de São Paulo. Gostava mais do que eu. Ela era da minha família. Ela fazia parte da minha família. Ela tá num jazigo que é da minha família”.

O filho da cantora questiona a decisão, e acredita que o corpo deveria ser transferido para o Rio de Janeiro: “Era o que a minha mãe queria. Para mim [ela] não [falou sobre o tema]. Mas temos milhares de pessoas que podem comprovar isso, amigos, familiares... Ela fez esse jazigo para ela e a mãe dela, minha avó, ficarem ali. Foi uma promessa que ela fez para o meu tio, irmão da minha mãe”.

O relacionamento entre Gal Costa e Wilma Petrillo

Gabriel também explicou as acusações de que Wilma não seria viúva de Gal Costa, mas apenas sua ex-empresária: “Elas sim, tiveram uma relação bem breve. Bem breve. E ela virou empresária da minha mãe, realmente. Começaram a morar juntas. Só que sem nenhum tipo de relacionamento além da amizade e trabalho”.

Publicidade

Questionado se não haveria possibilidade de Gal não querer explicitar a relação ao filho, ele respondeu: “Não acho. Até porque todos os dias elas brigavam. Todos os dias brigavam feio”. Perguntado se era um relacionamento tóxico, foi direto: “Sim, com certeza”.

“Minha mãe era uma pessoa muito boa, então ela não conseguia deixar a Wilma porque a Wilma não tinha para onde ir, também. Então a Wilma continuou com a gente”, continuou o filho da artista.

Wilma, por sua vez, ressaltou que as duas “nunca” deixaram de ser um casal, e que tinham uma relação “muito” harmoniosa: “A gente quase não brigava”.

Gabriel Costa ainda afirmou que Wilma pediu para que ele a chamasse de mãe somente apenas após a morte de Gal: “Porque ela queria que eu ficasse perto dela. [Para] ter o poder sobre a herança. Apenas para ela ser herdeira junto comigo, poder pegar uma porcentagem do dinheiro”.

Sobre ter assinado um documento reconhecendo a união estável entre elas, afirmou que tomou a atitude por pressão: “Ela falou para mim que era para cuidar da gente, que precisava me ajudar, foi colocando coisas na minha cabeça, falando dessa explicação, que era coisa boa. Eu falei: ‘Vou pensar’, mas ela sempre me apressava, botava pressão pra assinar”.

Foto antiga de Wilma Petrillo ao lado de Gal Costa exibida em chamada do 'Fantástico' em 30 de março de 2024, na Globo Foto: Reprodução de 'Fantástico' (2024)/TV Globo
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.