Rod Stewart, aos 79 anos, não quer parar: ‘Aposentadoria não faz parte do meu vocabulário’

Cantor fala sobre o novo disco de jazz, ‘Swing Fever’, a busca por músicas alegres em tempos sombrios, explica como se mantém saudável e afirma que vai continuar na ativa: ‘Estou me divertindo’; leia entrevista

PUBLICIDADE

Por John Carucci
Atualização:

NOVA YORK (AP) - Sir Rod Stewart não será desacelerado. Aos 79 anos, ele continua a todo vapor com um ano agitado. Os destaques de 2024 incluem o 200º show de sua residência em Las Vegas, uma turnê mundial em andamento e um novo álbum de swing jazz.

Swing Fever é uma colaboração com Jools Holland e a Rhythm & Blues Orchestra, que faz parte do programa de entrevistas do apresentador e músico, e contém algumas canções atemporais da era da Big Band, como Pennies From Heaven, Lullaby of Broadway e Sentimental Journey.

Como não era estranho ao repertório americano, Stewart tinha um pedido para Holland: “Não vou fazer nenhuma música lenta”, disse Stewart. “Quero todas as músicas alegres e animadas, algo de que precisamos nesses tempos difíceis em que vivemos.”

Rod Stewart não quer saber de parar. O cantor diz que a palavra aposentaria não faz parte de seu vocabulário.  Foto: Matt Licari/Invision/AP

Stewart expressou gratidão por cantar músicas criadas em uma época em que ser compositor era um trabalho específico, antes de as bandas escreverem suas próprias músicas. Holland, que começou sua carreira com a banda Squeeze, dos anos 1980, brincou sobre como o paradigma mudou.

“Acho que os Beatles foram os culpados. Acho que todo mundo pensou que poderia escrever músicas depois disso. Então as bandas sempre continuaram fazendo isso”, disse Holland. Stewart, que escreveu sua cota de sucessos, estava feliz por se concentrar em cantar.

Stewart esteve recentemente em Nova York e, antes de ir a um pub no centro da cidade para assistir à partida do seu amado time de futebol Celtic contra o rival Hibernian, ele reservou um tempo para conversar com a The Associated Press sobre fazer música, manter a saúde e se há aposentadoria em seu futuro.

Publicidade

AP: Qual foi a motivação para voltar a tocar essas músicas?

STEWART: Elas fazem você balançar os pés. Elas fazem você sorrir. Nós dois (Holland) fomos criados com essa música. Eu fiz The Great American Songbook, então, para mim, essa foi uma progressão natural. E uma coisa que eu disse ao Jools foi: não vou fazer nenhuma música lenta, quero todas otimistas e alegres (bate palmas), algo de que precisamos nesses tempos difíceis em que vivemos.

Rod Stewart e Jools Holland, que lançam o disco 'Swing Fever'. Foto: Matt Licari/Invision/AP

AP: Como foi fazer esse disco?

STEWART: Adoro todo o processo de fazer shows ao vivo. Adoro gravar. Adorei quando montamos esse álbum. Foi uma grande alegria. Não tivemos nenhuma discussão, briga ou algo do gênero. Foi puro prazer e acho que isso fica evidente quando você o ouve. Tudo foi gravado ao vivo no estúdio do Jools, que não é um estúdio grande. Tínhamos 18 pessoas amontoadas lá, então todos os solos foram tocados ao vivo.

AP: Foi libertador apresentar músicas de uma época em que os compositores eram uma entidade separada?

STEWART: Sempre achei a composição de músicas um pouco agonizante, na verdade. É como voltar para a escola. Na verdade, quando eu estava nos Faces, eles costumavam me trancar em um quarto de hotel com uma garrafa de vinho e dizer: “Você não vai sair até terminar”. Porque eu era conhecido. Eu queria sair e me divertir sozinho. Não queria ficar sentado em um quarto escrevendo letras, e isso sempre foi como arrancar dentes para mim. A alegria desse álbum, obviamente, é que eu não escrevi nenhuma das músicas, eu tinha uma ambição ardente de cantá-las e escolhi o cara certo.

AP: Ao longo dos anos, você conquistou um grande público feminino. Quando percebeu que isso estava acontecendo?

STEWART: Provavelmente logo após Maggie May, eu acho. Não, com os Faces, sem dúvida, porque era uma banda bonita, os Faces. Eu não achava que nenhum de nós fosse bonito, para ser sincero. Ainda não acho. Mas tínhamos um apelo mágico para as mulheres. Foi muito divertido. Você deveria ter estado lá. (Risos)

AP: Seu susto com a saúde há alguns anos mudou alguma coisa?

PUBLICIDADE

STEWART: Tudo faz parte do envelhecimento. No momento, meus pensamentos estão com nosso rei, que está com algum tipo de câncer. Mas eu fiz uma promessa a mim mesmo desde que era bem jovem. Sempre joguei futebol, e ainda jogo. Também jogo com meus filhos. Eu me mantenho em boa forma. Faço um pouco de exercícios. Sou louco por nutrição, por cuidar do meu peso e tudo mais. Então, eu me dedico a isso e acho que isso ajuda muito. E faça sua devida diligência. Sabe, os homens são famosos por não quererem ir ao médico. Você deve ir.

AP: Isso parece pragmático. Você tem alguma preocupação em manter-se saudável?

STEWART: Não sou obcecado por isso. Quero dizer, nenhum de nós quer morrer. Você pensa nisso à medida que envelhece, mas não de uma forma mórbida. Não tenho medo de morrer, mas estou me divertindo muito. Sinto-me absolutamente privilegiado por estar fazendo o que estou fazendo.

O cantor Rod Stewart, aos 79 anos. Ele lança disco de jazz e diz que planeja fazer álbum country. Foto: Matt Licari/Invision/AP

AP: Há alguns anos, falou-se em um disco country. Há alguma verdade nisso?

STEWART: Eu planejo fazer isso. Na verdade, nós começamos. Começamos a fazer um álbum country. E eu saí e fiz outro álbum solo, mas sim, está nos planos. A gravadora gostaria que eu o fizesse. Eles não me pressionam a fazê-lo. Sabe como é, o momento [certo] vai chegar.

Publicidade

AP: O que esse tipo de música tem de especial?

STEWART: Mais uma vez, foi com ela que cresci. Não tanto a música country, mas a música folk. Como Woody Guthrie, Ramblin’ Jack Elliott e Bob Dylan. É claro, eu adorava todas essas coisas. Isso é tudo. Foi por isso que aprendi a tocar violão, porque eu queria cantar as músicas.

AP: Há um fim em vista, você vê um momento em que se aposentaria?

STEWART: Na verdade, não. Acho que, quero dizer, não caberia a mim julgar, mas imagino que se as pessoas pararem de comprar ingressos para shows e não comprarem mais discos, talvez isso seja um sinal. Eu não sei. A palavra aposentadoria não faz parte do meu vocabulário no momento, porque estou me divertindo.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.