Taylor Swift: fãs enfrentam cambistas e relatam até ameaça de morte para comprar ingressos em SP

‘Foram ameaças de grupos grandes de cambistas. Eles vinham até a fila, falavam que queriam passar na frente e diziam que se a gente não deixasse hoje seria o último dia de nossas vidas’, diz fã

PUBLICIDADE

Foto do author Simião  Castro
Por Simião Castro
Atualização:

Enfrentar frio, chão duro e dormir ao relento não foi perrengue suficiente para os fãs de Taylor Swift que tentam um ingresso físico na bilheteria do Allianz Parque, em São Paulo. Eles abraçaram também a disputa contra os cambistas. E contam que sofreram até ameaças de morte por isso.

Com protestos no meio da madrugada deste domingo, 11, para segunda, 12, eles chamaram a Polícia Militar e botaram para correr os agentes do mercado paralelo de ingressos. Mas por pouco tempo. Nesta manhã, fãs da cantora contam que muitos já tinham voltado.

PUBLICIDADE

De acordo com os jovens na fila, os cambistas se aproveitam da forma como o esquema está montado. Três conjuntos distintos de gradis foram instalados para organizar a fila e não atrapalhar os portões do estádio. E é nos bolsões formados entre eles que os cambistas se enfiam.

Nesta segunda-feira, 12, tiveram início as vendas gerais para a The Eras Tour, às 10h.. Os valores para quem quiser assistir Taylor, vão de R$ 190,00 (meia-entrada, Cadeira superior Norte B - Visão Parcial, em São Paulo) a R$ 1.050,00 (inteira, Pista Premium, em São Paulo). Veja como comprar.

TAYLOR SWIFT - Fila de fãs para comprar o ingresso do show da cantora Taylor Swift, no Allianz Parque Foto: FELIPE RAU /ESTADÃO

De acordo com Laís Amanda Alves, que está na fila desde as sete horas da manhã de domingo, 11, no fim da noite passada os cambistas ocuparam os espaços tentando furar a fila. No que foram repreendidos pelos fãs, que chamaram a Polícia Militar. A força de segurança teria, então, os feito desocupar o local e ir para o fim da fila.

Mas não foram quietos. Os fãs contam que a resposta veio com hostilidade. “Foram ameaças de grupos grandes de cambistas. Eles vinham até a fila, falavam que queriam passar na frente e diziam que se a gente não deixasse hoje seria o último dia de nossas vidas”, conta o estudante de enfermagem Luis Felipe Pires.

Publicidade

TAYLOR SWIFT - Fila de fãs para comprar o ingresso do show da cantora Taylor Swift, no Allianz Parque Foto: FELIPE RAU /ESTADÃO

A jornalista Gabriela Ferreira de Souza, na fila desde a manhã do último sábado, 10, afirma que as pessoas foram deixadas à própria sorte na fila. Ela diz que chamou a polícia três vezes durante a noite, sem sucesso. E que a organização também não atuou. “Os cambistas começaram a falar que iam marcar o rosto de quem tava reclamando de eles estarem furando fila e iam bater e roubar o ingresso da pessoa que comprasse”, conta.

Na manhã desta segunda-feira, 12, os ânimos pareciam menos exaltados. Mas ainda havia denúncias de atuação ilegal dos cambistas. Inclusive pegando lugar na fila preferencial, para pessoas com deficiência. A venda de ingressos começou às 10h.

A reportagem registrou a presença de ao menos três viaturas da Polícia Militar no entorno do Allianz Parque. O espaço está aberto para manifestações tanto da PM quanto da organizadora do evento, a Time 4 Fun.

As apresentações da cantora só ocorrerão no mês de novembro, no Rio de Janeiro (dia 18, no Engenhão) e em São Paulo (dias 25 e 26, no Allianz Parque), mas a procura pela pré-venda dos ingressos agitaram os fãs de Taylor – as reservas para clientes de determinado banco se esgotaram em menos de uma hora.


Taylor Swift durante uma recente apresentação da Eras Tour em Nova Jersey, nos Estados Unidos Foto: Sarah Yenesel/EFE/EPA
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.