EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Pedro Venceslau e Simião Castro dão dicas sobre filmes, séries e músicas disponíveis nos serviços de streaming

'Sentença': Camila Morgado carrega nas costas novo thriller policial da Amazon Prime

Confira também outras dicas do streaming como 'The First Lady' e o podcast 'Crime e Castigo'

PUBLICIDADE

Foto do author Simião  Castro
Por Simião Castro
Atualização:

Heloísa é uma advogada criminalista. É filha de Carolina, presa por matar o próprio marido quando a advogada era ainda uma menina. Sim, é complexo – mas piora.

PUBLICIDADE

Com a mãe sob risco de morrer e obcecada por desvendar os mistérios da morte do pai encobertos pelo trauma psicológico, Helô acaba ligada ao chefe da pior facção criminosa do Brasil.

Ele oferece a cirurgia que pode salvar Carolina e que burocratas – obviamente homens – dificultam ao máximo, sob o mais estrito processo legal e com a desculpa de resguardar o interesse público.

Uma crítica clara aos poderes que decidem quem merece ou não viver. E em quais circunstâncias isso acontece. Mas Sentença, da Amazon Prime Video, não é só sobre isso.

Camila Morgado em cena da série 'Sentença', exibida na Amazon Prime Vídeo Foto: Amazon Prime Vídeo/Divulgação

Mergulho carcerário

Publicidade

A série de seis episódios explora os bastidores do sistema judiciário e escancara os jogos de interesses que movem o poder. Tudo gira ao redor da prisão de uma mulher, negra e periférica, após ela jogar óleo em chamas em um policial que acaba morto.

Heloísa é chamada a assumir o caso e defender a acusada. Assim Camila Morgado carrega o enredo nas costas. Não porque o restante do elenco seja ruim, muito pelo contrário. Mas é raro ela não dominar o tempo de tela.

Uma escolha de roteiro que demonstra a intenção de contar a história pelos olhos da advogada.

Minorias em destaque

Sentença tem o grande mérito de contar uma excelente história e ainda privilegiar minorias sociais estruturalmente invisibilizadas.

Publicidade

Além de protagonizar as tramas femininas, a série conta, ainda, com pessoas negras e LGBTs vivendo os papéis de personagens fundamentais. 

Por outro lado

Esses avanços em representatividade e na crítica aos abusos de autoridades, infelizmente, não escondem um rancinho que ainda resiste: o da sexualização gratuita.

Mais de uma vez Morgado aparece com o corpo à mostra sob pretexto narrativo, mas em cenas que servem exclusivamente aos olhos sedentos da parcela macho-hétero-cis do público. Julgue por si! 

Punir resolve?

Publicidade

Histórias reais de um arranjo penal que não resolve. O podcast Crime e Castigo, da Rádio Novelo, provoca uma reflexão profunda sobre o distanciamento ou não da barbárie enquanto sociedade.

Na minissérie, Branca Vianna, Flora Thomson-DeVeaux e equipe escavam os motivos para o sistema penal brasileiro ser tão falho e discutem alternativas ao atual modelo punitivista. Tudo através das narrativas de quem foi diretamente afetado pelo modo legal e cultural que nos rege.

Para pensar, nas principais plataformas de streaming de áudio.

O que é punir?

Branca e Flora já se haviam unido em 2020 para revisitar a tragédia de Ângela Diniz em Praia dos Ossos. Lá, o propósito era desvelar um dos primeiros casos de feminicídio a gerar revolta no Brasil – a socialite fora morta a tiros pelo marido Doca Street.

Publicidade

O caso mostra como o Judiciário pode ser cruel com as mulheres. A ponto de, na prática, culpar a vítima pelo próprio assassinato. Revolte-se também nas plataformas de áudio. 

Extra

De fora do tema, merece nota extra o esperado lançamento de The First Lady, da Showtime, que transformou Viola Davis na ex-primeira-dama dos EUA Michelle Obama.

O elenco estrelado tem também Gillian Anderson e Michelle Pfeiffer, com a promessa de mostrar a influência oculta das empoderadas primeiras-damas americanas e os bastidores e escândalos da Casa Branca.

No streaming, começa hoje e sempre às segundas-feiras. Surpreenda-se no Paramount+.

Publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.