PUBLICIDADE

Roseana Murray conta sobre ataque de pitbulls: ‘Fiquei gritando socorro, mas não passava ninguém’

Ao ‘Fantástico’, autora de livros infantis fala sobre vontade de viver e a recuperação; a escritora de 73 anos teve o braço direito amputado e ainda se recupera no hospital

Foto do author Redação
Por Redação
Atualização:

A escritora Roseana Murray, de 73 anos, deu sua primeira entrevista ao Fantástico, da TV Globo, após sofrer um ataque de três cães da raça pitbull. Ela perdeu o braço direito no episódio, que ocorreu em Saquarema, Região dos Lagos do Rio de Janeiro, no último dia 5.

Roseana Murray, escritora que foi ataque por três cães da raça pitbull. Foto: Bia Hetzel/Divulgação

PUBLICIDADE

“Eu saí de casa e os três cachorros estavam na rua”, contou. “Quando eu passei, eles me atacaram ao mesmo tempo. Me derrubaram e foi muito rápido. Fiquei gritando por socorro, mas não passava ninguém. Eu estava indo para a academia, às 6 horas da manhã”, disse a autora de livros infantis.

O ultramaratonista Eduardo Neves, que corria na orla da praia, foi quem flagrou a violência e ajudou Roseana. “Quando chego próximo, estou vendo a senhora deitada no chão: três cachorros em cima atacando, mordendo de tudo quanto é jeito. Já fui com um cabo de vassoura pedindo para sair”, contou ele ao programa.

Segundo Neves, alguns minutos depois o motorista de um carro também viu o ataque e jogou o veículo sobre os três cães. Depois disso, ele conseguiu trancar os animais na casa de onde tinham fugido e telefonou para os bombeiros. “Salvar uma vida: não tem coisa melhor.”

Segundo a equipe médica, ela chegou em um quadro bastante grave. Pela extensão dos ferimentos, foi necessário amputar o braço direito da paciente, que também teve lesões no braço esquerdo e no rosto.

Ao dominical da TV Globo, o filho de Roseana, Guga Murray, disse que temia pelo pior.

“Eu disse para ela: ‘Mãe, a gente está aqui com você. A gente ainda tem muita coisa pela frente. Se você tiver de fechar olhinhos e partir, fica tranquila”, recordou. “Com um sopro de voz, ela disse: ‘eu quero viver’”, acrescentou.

Publicidade

Após uma recuperação veloz, que surpreendeu a equipe médica, a escritora já faz fisioterapia e caminha pelo hospital. A expectativa é de que receba alta nos próximos dias.

“Eu vou ter de reaprender a escrever com a mão esquerda”, disse Roseana. “A vida vai ter de continuar, eu não morri”, prosseguiu, e relembrou um dos seus versos: “viver é o milagre que nos guia”.

Caso é investigado

Três pessoas, que cuidavam dos cachorros, foram presas em flagrante por maus-tratos a animais no mesmo dia da ocorrência. Contudo, o trio recebeu alvará de soltura na quarta-feira, 10. Eles perderam a tutela dos animais, mas o caso segue sob investigação e os três vão responder em liberdade.

“Eles (os tutores) estão respondendo pelo crime da omissão de cautela nos animais e lesão corporal. Só que diante do relato das testemunhas de que houve outros episódios de ataques a cães, estamos inclinados a mudar a tipificação para lesão corporal dolosa, qualificada pelo resultado que seria uma lesão corporal gravíssima, cuja pena varia de três a oito anos de reclusão”, contou o delegado André Bueno, responsável pela investigação, ao Fantástico.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.