EXCLUSIVO PARA ASSINANTES
Foto do(a) coluna

Coluna quinzenal do jornalista e escritor Sérgio Augusto sobre literatura

Opinião|Autores estrangeiros pouco conhecidos no Brasil ganham espaço com o selo Poente

Para começar, a argentina María Negroni e o espanhol Juan Tallón

PUBLICIDADE

Foto do author Sérgio Augusto
Atualização:

Fevereiro mal chegou e 2024 já tem algo muito bacana a festejar no campo editorial: a WMF Martins Fontes acaba de lançar o selo Poente, idealizado e dirigido pelo jornalista Flávio Pinheiro, só de obras de autores estrangeiros e contemporâneos pouco conhecidos no Brasil. Faço questão de ser dos primeiros a saudar esse arrebol literário.

PUBLICIDADE

Pra começar, uma argentina (María Negroni) e um espanhol (Juan Tallón). Ele é jornalista e já escreveu até um manual de futebol; seu rabicho, porém, são os seus confrades profissionais, escritores e poetas, sobre os quais se debruça com o apetite e o timbre do conterrâneo Enrique Vila-Matas. Em Fim de Poema, seu début nestas paragens, Tallón reconstrói as últimas horas de vida de quatro poetas suicidas (Anne Sexton, Alejandra Pizarnik, Cesare Pavese e Gabriel Ferrater) e tenta responder à pergunta de um milhão de velórios e funerais: o que teria passado pela cabeça de cada um deles antes de pôr termo à própria vida?

Poeta e ensaísta, espantosamente inteligente, culta e abusada, Negroni é uma das vozes mais originais das letras latino-americanas em atividade. O YouTube tem algumas entrevistas com ela. Há dois anos, a editora 100/Cabeças traduziu-lhe os ensaios de A Arte do Erro; faltava o principal: sua obra ficcional, da qual O Coração do Dano, com quase três anos de circulação em países de língua espanhola, é um dos carros-chefe. Sua prosa poemática e epigramática pende mais para o ensaio poético do que para o romance tout court.

Capa do livro 'O Coração do dano', de María Negroni Foto: Poente

Embora já cultuada no Brasil, sobremodo pelos admiradores de Clarice Lispector, Ana Cristina Cesar, Guimarães Rosa (este também reverenciado no livro), e pelos convertidos à singular ficção de Lydia Davis e David Markson, Negroni ainda é infinitamente menos presente em nossa mídia do que o homônimo drinque italiano.

Há quem admita perder o fôlego quando a lê ou ficar sem palavras depois de a ler (como quem tenta contar um sonho do qual acabou de despertar). “Cada frase dela é um relâmpago”, derramou-se uma crítica espanhola, indisfarçavelmente grata pelo clarão e o estrondo.

Publicidade

Suas observações sagazes, mesmo aquelas motivadas pela humilhação e pela angústia, seus confessos “instrumentos de trabalho”, me fizeram sorrir (e mesmo rir) bem mais do que o esperado numa autoficção vincada por lembranças dolorosas e cheia de espinhosas ruminações sobre a infância, o relacionamento complicado com a mãe fria, mordaz e autoritária, a clandestinidade durante os anos de chumbo na Argentina (que ela “atravessou como um cão espancado”), o exílio no exterior e um amor “teimoso como um coágulo”, entre outros danos.

Em março, com o selo Poente, chega às livrarias Em Memória da Memória, de outra Maria, a russa Maria Stepanova, não a do basquete, mas sua xará escritora e poeta.

Opinião por Sérgio Augusto

É jornalista, escritor e autor de 'Esse Mundo é um Pandeiro', entre outros

Tudo Sobre
Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.