Bill Gates: Como invisto meu dinheiro em um mundo em aquecimento

Bilionário fundador da Microsoft defende que os ricos aumentem o consumo do produtos sustentáveis para acelerar a adoção de novas tecnologias

PUBLICIDADE

Por Bill Gates
Atualização:

THE NEW YORK TIMES - À medida que nos aproximamos da COP-28, a reunião anual global sobre mudanças climáticas que está ocorrendo em Dubai, há duas escolas de pensamento dominantes, ambas erradas. Uma diz que o futuro não tem esperança e que nossos netos estão condenados a sofrer em um planeta em chamas. A outra diz que tudo ficará bem, porque já temos tudo o que precisamos para resolver a mudança climática.

PUBLICIDADE

Não estamos condenados, nem temos todas as soluções. O que temos é a engenhosidade humana, nosso maior patrimônio. Mas, para superar as mudanças climáticas, precisamos que os indivíduos, as empresas e os países ricos se mobilizem para garantir que as tecnologias verdes sejam acessíveis a todos, em todos os lugares - inclusive aos países menos ricos que são grandes emissores, como China, Índia e Brasil.

Vamos começar com o que as pessoas ricas, como eu, podem fazer para ajudar. Os investidores ricos têm o capital para assumir riscos e, de fato, deveriam assumir mais riscos. Eles deveriam investir em empresas que estão desenvolvendo soluções ecológicas transformadoras - especialmente soluções que têm potencial, mas que atualmente são subfinanciadas, incluindo hidrogênio verde e gestão de carbono. Há sete anos, criei um fundo com outras pessoas com patrimônio líquido alto para apoiar empresas cujos produtos pudessem reduzir pelo menos 1% das emissões mundiais - sabendo muito bem que a maioria das empresas em que investiríamos fracassaria. Mas eu também sabia que era um risco que valia a pena correr.

Para Bill Gates, as pessoas mais ricas têm um papel fundamental na questão das mudanças climáticas Foto: Justin Tallis/Pool via Reuters

Pessoas muito ricas também deveriam fazer mudanças em seus estilos de vida para que suas emissões se aproximassem de zero. Se você voa em um jato particular, como eu faço, pode arcar com o custo adicional do combustível de aviação sustentável produzido a partir de culturas e resíduos de baixo carbono. Você não apenas reduzirá suas próprias emissões, mas também ajudará a impulsionar a demanda por combustível limpo, o que aumentará a oferta e, por fim, o tornará barato o suficiente para ser usado mais amplamente em aeronaves comerciais. Isso será um divisor de águas para a redução das emissões das viagens aéreas de longa distância, que continua sendo um dos problemas climáticos mais difíceis.

Em termos de escala, as empresas e os governos ricos podem fazer ainda mais do que as pessoas e os investidores mais ricos. Eles podem aproveitar seu poder de compra e adquirir produtos verdes para acelerar a adoção de novas tecnologias. Isso significa eletrificar suas frotas de veículos corporativos, comprar materiais com baixo teor de carbono para projetos de construção e comprometer-se a usar uma alta porcentagem de eletricidade limpa.

Os líderes corporativos podem se opor a gastos extras, argumentando que seu trabalho é maximizar o retorno para seus acionistas. Isso é verdade, mas muitas empresas já financiam esforços de mudança climática que não têm tanto impacto quanto o que estou propondo: reduzir o que chamo de prêmios verdes, os preços mais altos que geralmente vêm com alternativas mais ecológicas. Se eles redirecionarem o dinheiro que estão gastando atualmente em esforços de mudança climática para a criação de mercados para produtos limpos, eles farão o maior bem com cada dólar que gastam em mudança climática.

Os países ricos também podem fazer mais com políticas, por exemplo, ajudando a tornar os produtos limpos competitivos em relação aos convencionais, criando incentivos fiscais e um ambiente favorável às alternativas verdes. Legislações como a Inflation Reduction Act (Lei de Redução da Inflação) nos Estados Unidos são um exemplo de investimentos federais no clima, projetados para acelerar a descarbonização. É especialmente importante para os setores mais difíceis de abandonar os combustíveis fósseis, como o cimento e o aço, e é um exemplo que pode ser seguido por outros governos.

Publicidade

Pode ser necessário um certo salto de fé para acreditar que podemos resolver a mudança climática. Mas os seres humanos já superaram o que parecia impossível antes. Desde o início do século, o número de crianças que morrem anualmente em todo o mundo foi reduzido pela metade. Esse progresso foi, em parte, resultado do trabalho conjunto de governos, empresas e organizações sem fins lucrativos para resolver o problema, priorizando inovações em ciência e políticas para reduzir o custo de vacinas que salvam vidas e que possibilitaram a proteção de um número muito maior de crianças.

O progresso contínuo do mundo em termos de saúde e desenvolvimento está intrinsecamente ligado à nossa capacidade de solucionar as mudanças climáticas. As pessoas saudáveis, com alguma estabilidade financeira, terão mais condições de enfrentar o calor extremo, as secas e os incêndios florestais, e terão mais condições de arcar com as tecnologias para conter as mudanças climáticas. Para os ricos, isso significa um compromisso contínuo com a erradicação da pobreza, a melhoria da saúde e o financiamento de programas que ajudem as pessoas a se adaptarem a um mundo mais quente.

Embora os ricos tenham a maior responsabilidade, em última análise, será necessário que cada um de nós leve o prêmio verde a zero, como consumidores, funcionários e eleitores. Toda vez que você opta por um produto que não agride o clima - seja uma lâmpada de LED, a instalação de uma bomba de calor, o consumo de carne à base de vegetais ou a condução de um carro elétrico -, você está enviando um sinal ao mercado de que esse produto verde está com demanda. À medida que o volume aumenta, o preço diminui. Você não apenas se beneficia ao comprar produtos ecológicos, mas também faz parte da solução para o desafio mais difícil que a humanidade já enfrentou.

*Bill Gates é o fundador da Breakthrough Energy, que investe em soluções climáticas que ajudam a reduzir as emissões de gases de efeito estufa

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.